10:13 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Líderes da União Europeia durante a cúpula festiva de aniversário da UE, 25 de março de 2017

    União Europeia promete acionar os EUA na OMC se sanções ao Irã prejudicarem negócios

    © REUTERS / Tony Gentile
    Europa
    URL curta
    13170

    A União Europeia (UE) está mobilizada para proteger os interesses de suas empresas que fazem negócios com o Irã, depois da oficialização da decisão dos Estados Unidos de se retirar do acordo nuclear firmado em 2015 com Teerã.

    O anúncio do presidente Donald Trump de que os EUA estavam se retirando do pacto histórico desencadeou uma onda de críticas da comunidade internacional.

    Agora, a UE ameaçou levar os Estados Unidos à Organização Mundial do Comércio (OMC) se tomar quaisquer medidas que afetem negativamente os negócios europeus no país do Oriente Médio. Um porta-voz do governo francês disse que os parceiros da UE vão discutir as consequências econômicas da decisão dos EUA.

    "A União Europeia está pronta para contestar na OMC qualquer medida unilateral que prejudique os interesses das empresas europeias e responda de maneira proporcional, de acordo com as regras dessa organização internacional", disse Benjamin Griveaux.

    O acordo suspendeu as sanções ao Irã em troca de Teerã limitar seu programa nuclear. A retirada de Trump do acordo significa que os EUA vão reimpor as sanções econômicas suspensas em 2016 e provavelmente impor novas sanções.

    O recém-nomeado embaixador dos EUA em Berlim alertou que as empresas alemãs deveriam suspender imediatamente suas atividades no Irã.

    As potências europeias se esforçaram para salvar o acordo na quarta-feira, insistindo que não está morto apesar da retirada de Washington. Os comentários de Griveaux foram repetidos pelo ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire.

    "O alcance internacional das sanções dos EUA faz dos EUA o policial econômico do planeta, e isso não é aceitável", afirmou Le Maire à rádio France Culture.

    O Reino Unido também disse que faria o máximo para proteger os interesses comerciais britânicos no Irã, enquanto a Alemanha disse que estava buscando detalhes sobre o efeito das sanções norte-americanas.

    O Irã sempre afirmou que assinou o acordo em 2015 porque acreditava que o relaxamento das sanções levaria ao aumento do investimento. O valor do comércio entre a UE e o Irã cresceu rapidamente desde que o acordo foi assinado. No ano seguinte à assinatura do acordo, o comércio cresceu mais de US$ 7 bilhões, para US$ 16,4 bilhões, e no ano passado, US$ 25 bilhões.

    Mais:

    Netanyahu compara o Irã à Alemanha nazista durante as conversações com Putin
    Rússia não teme sanções dos EUA por envolvimento com Irã
    Se o Irã adquirir a bomba nuclear, nós também a teremos, diz a Arábia Saudita
    Tags:
    diplomacia, acordo nuclear, sanções, OMC, União Europeia, Bruno Le Maire, Benjamin Griveaux, Donald Trump, Alemanha, França, Europa, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik