06:15 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Soldados de um destacamento do Eurocorps carregam a bandeira da União Europeia para assinalar a sessão inaugural do Parlamento Europeu em frente ao Parlamento Europeu em Estrasburgo, no leste da França

    9 países europeus apoiam criação de uma força de intervenção militar da União Europeia

    © AFP 2018 / PATRICK HERTZOG
    Europa
    URL curta
    625

    Nove países-membros da União Europeia apoiaram a iniciativa da França sobre a criação de um corpo expedicionário para a resolução de crises em outros países sem a aprovação absoluta de todos os aliados do bloco. A informação foi divulgada à Sputnik por uma fonte diplomática em Bruxelas.

    O presidente da França, Emmanuel Macron, propôs em setembro do ano passado a criação de uma força de intervenção militar do bloco europeu pra o ano de 2021. 

    "No contexto em que não se recorre ao uso de grupos de combate da União Europeia por razões geopolíticas ou orçamentais, a proposta da França foi apoiada pela Alemanha, Reino Unido, Itália, Países Baixos, Espanha, Bélgica, Dinamarca, Portugal e a Estônia", disse a fonte. 

    Foi relatado que a proposta francesa prevê a criação de "uma força expedicionária comum de milhares de membros militares". O diplomata disse que o projeto levanta preocupações para os EUA, já que isso poderia diminuir os recursos financeiros da OTAN.

    Em fevereiro, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, anunciou que a União Europeia poderia implantar seus grupos de combate nos próximos meses, formando unidades europeias conjuntas de rápida reação.

    Mais:

    Inimigo fictício nas manobras da OTAN se parece muito com Rússia, diz mídia
    Caças britânicos Typhoon levantam voo para interceptar avião russo perto do espaço da OTAN
    Perigo perto das fronteiras: Frota do Mar Negro vigia manobras da OTAN
    OTAN prepara exercícios militares no Mar Negro
    Tags:
    força, intervenção, militar, Emmanuel Macron, União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik