14:38 19 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O presidente francês Emmanuel Macron fala ao Parlamento Europeu, em Estrasburgo, na França, em 17 de Abril de de 2018.

    Macron pondera, mas admite: Ataques à Síria 'não resolverão nada'

    © AP Photo / Jean Francois Badias
    Europa
    URL curta
    1608

    O presidente Emmanuel Macron admitiu nesta terça-feira (17) que os ataques aéreos na Síria "não resolvem nada". Ele afirma, no entanto, que França, Reino Unido e os Estados Unidos foram forçados a defender a "honra" internacional comunidade.

    Na noite da sexta-feira (13), ataques à mísseis foram realizados por uma frente aliada dos EUA, Reino Unido e França no fim de semana foram em resposta a um suposto ataque com armas químicas na cidade de Douma, em 7 de abril, no qual 40 pessoas teriam morrido.

    Em uma defesa apaixonada ao Parlamento Europeu, Macron disse que os aliados ocidentais agiram para defender as regras globais e acusou o líder sírio Bashar al-Assad de estar "em guerra com seu povo", segundo informa a agência AFP.

    "Vamos olhar nossos princípios e perguntar para onde queremos ir. Esses ataques não resolverão nada, mas acabarão com um sistema ao qual estamos nos acostumando, o que seria que, de alguma forma, o lado correto se tornou o lado fraco", disse Macron.

    "Àqueles que estão chocados com imagens de mulheres, de crianças que foram atacadas por cloro, precisamos nos defender para defender nossos direitos. O que vamos dizer, que nossos direitos e princípios são apenas para nós? Não, isso simplesmente não é aceitável", disse Macron.

    Com o resto da União Europeia e do Ocidente evitando a ação militar, Macron acrescentou: "Três países intervieram, e deixe-me ser bastante franco, muito honesto — isto é para a honra da comunidade internacional".

    Ele disse que os ataques que foram conduzidas "dentro de uma estrutura multilateral legítima e de maneira muito objetiva, sem nenhuma vítima humana, nem uma única vítima humana, para destruir três locais onde armas químicas estavam sendo produzidas ou processadas".

    "Esses ataques não necessariamente resolvem nada, mas eu acho que eles foram importantes", disse ele.

    Os comentários de Macron foram feitos ao mesmo tempo em que o governo francês afirmou, nesta terça-feira (17), que é "muito provável" que as evidências desapareçam do local do suposto ataque químico antes que especialistas internacionais em armas cheguem à área.

    "É muito provável que evidências e elementos essenciais desapareçam do local, que é completamente controlado pelos exércitos russo e sírio", disse o ministério francês das Relações Exteriores, repetindo as preocupações dos EUA que foram rejeitadas pela Rússia.

    Mais:

    Analistas russos: por que alvos dos EUA na Síria não liberaram resíduos após ataques?
    Derrubar Assad e dividir Síria: poderão EUA alcançar seus objetivos com forças árabes?
    Especialista: ataques dos EUA contra Síria fizeram disparar popularidade das armas russas
    'Jogo perigoso': 'buracos negros' da Rússia impedem submarinos britânicos de atacar Síria
    Tags:
    Guerra da Síria, Parlamento Europeu, Emmanuel Macron, União Europeia, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik