03:31 20 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Frank-Walter Steinmeier, ministro de Relações Exteriores da Alemanha

    'Não podemos declarar a Rússia, o país e seu povo como um inimigo', diz presidente alemão

    © AP Photo / Michael Sohn, pool
    Europa
    URL curta
    12281

    O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, pediu o fim da demonização da Rússia e de seu povo no último domingo. Ele acrescentou que Berlim deveria fazer mais para ajudar a diminuir as tensões, dada a história única de seu país com a Rússia.

    Steinmeier alertou que os ataques aéreos liderados pelos EUA na Síria nas primeiras horas da manhã de sábado aumentaram o risco de confronto direto entre as forças dos EUA e da Rússia que operam no território sírio.

    As relações entre os EUA e a Rússia atingiram o nível mais baixo do pós-Guerra Fria depois do ataque, que se seguiu ao suposto ataque com armas químicas em Douma, na Síria, na semana passada. O regime sírio negou as acusações de que atacou seu próprio povo, particularmente em uma área onde, naquele momento, suas forças estavam à beira da vitória total.

    "Estamos no próximo passo da escalada no relacionamento russo-americano", disse Steinmeier ao jornal alemão Bild. "Independentemente de [o presidente russo Vladimir] Putin, não podemos declarar a Rússia como um todo, o país e seu povo, para ser um inimigo", afirmou. "Nossa história fala contra isso e há muito em jogo".

    Mesmo antes do alegado ataque com gás em Douma, as relações russo-ocidentais estavam tensas após o envenenamento do ex-agente duplo russo Sergei Skripal e sua filha Yuli, em Salisbury, no Reino Unido, em 4 de março. A primeira-ministra britânica Theresa May declarou que era "altamente provável" que a Rússia estivesse por trás envenenamento, citando a falta de "explicação alternativa plausível" e a suposta origem soviética do agente químico usado.

    Da sua parte, Moscou negou veementemente qualquer envolvimento no envenenamento e condenou a total falta de transparência no caso. O embaixador russo no Reino Unido, Alexander Yakovenko, disse que é possível que Londres destrua evidências que possam exonerar a Rússia.

    Steinmeier descreveu o caso Skripal como "um incidente muito sério". "A alienação galopante entre a Rússia e o Ocidente também deve nos preocupar, com consequências que vão muito além deste caso. Não há praticamente nenhuma base de confiança mais", opinou.

    Falando sobre o conflito sírio em geral, Steinmeier disse que é muito importante para a pequena política de pontuação evitar uma solução real, acrescentando que o distanciamento entre o Ocidente e a Rússia é "o verdadeiro desafio para a política responsável".

    "É claro que você não pode fazer isso sem os vizinhos regionais no final, mas tudo começa com os EUA e a Rússia", avaliou. "Putin e [o presidente estadunidense Donald] Trump devem ao mundo dar o primeiro passo".

    Mais:

    Rússia teria enviado à Síria navio de guerra com material bélico a bordo (FOTOS)
    Mídia: ataque americano à Síria estimulará Coreia do Norte a manter seu arsenal nuclear
    Ataque dos EUA e aliados à Síria foi sinal para Rússia e Irã, diz chefe da OTAN
    Tags:
    conflito sírio, crise síria, diplomacia, Guerra Fria, ameaça, agressão, russofobia, Sergei Skripal, Theresa May, Alexander Yakovenko, Donald Trump, Vladimir Putin, Frank-Walter Steinmeier, Reino Unido, Estados Unidos, Rússia, Douma, Síria, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik