11:37 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Sergei Skripal, ex-coronel do serviço de inteligência militar da Rússia, durante uma audiência no tribunal do distrito militar de Moscou (foto de arquivo, 2006)

    Ex-espião russo Skripal já não se encontra em estado crítico

    © REUTERS / Kommersant/Yuri Senatorov
    Europa
    URL curta
    Caso Skripal: as vítimas se recuperam (28)
    764

    Desde 4 de março, Sergei Skripal estava em estado crítico no hospital para onde foi levado após alegado ataque químico contra ele e contra sua filha, Yulia Skripal.

    Christine Blanshard, diretora do hospital do distrito de Salisbury, afirmou que o ex-espião está se recuperando rapidamente após envenenamento com uma substância tóxica, comunicou a agência Reuters nesta sexta-feira (6).

    "Ele está respondendo bem ao tratamento, está se recuperando rapidamente e já não se encontra em estado crítico", comunicou Blanshard. 

    Segundo a diretora do hospital, por enquanto ela não pode divulgar outros detalhes.

    Recentemente, a filha de Sergei Skripal, Yulia, deu sua primeira declaração à polícia de Londres, afirmando ter saído do coma há uma semana e estar melhorando a cada dia.

    Em 4 de março de 2018, Sergei Skripal e sua filha foram encontrados inconscientes perto de um shopping em Salisbury, no Reino Unido.

    O incidente provocou um escândalo internacional, já que Londres responsabilizou Moscou por ter envenenado o ex-espião usando a substância А-234 (também conhecida como Novichok). Por sua vez, Moscou vem desmentindo todas as acusações, qualificando-as como infundadas.

    Tema:
    Caso Skripal: as vítimas se recuperam (28)

    Mais:

    Premiê lituano exige provas concretas do envolvimento da Rússia no caso Skripal
    'Mistério': Reino Unido ainda não respondeu sobre antídoto utilizado no caso Skripal
    Rússia alertou Reino Unido sobre 'estar brincando com fogo' no caso Skripal
    Tags:
    envenenamento, saúde, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik