17:25 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Theresa May, atual primeira-ministra do Reino Unido, se dirige ao Forum Conservador de Primavera no Centro de Londres, em 2016.

    'Mistério': Reino Unido ainda não respondeu sobre antídoto utilizado no caso Skripal

    © REUTERS / Kerry Davies
    Europa
    URL curta
    Caso Skripal: as vítimas se recuperam (28)
    6131

    A Rússia ainda não recebeu nenhuma informação do Reino Unido sobre o antídoto que pode ter sido administrado em Sergei Skripal e sua filha Yulia, disse o embaixador russo no Reino Unido, Alexander Yakovenko nesta quinta-feira (5).

    No começo do dia, Yulia Skripal, que estava em estado crítico desde o envenenamento divulgou um comunicado dizendo que acordou há uma semana e que sua "força está crescendo diariamente".

    "Nós não recebemos nenhuma resposta oficial depois que assistimos a entrevista do chefe da Porton Down. E ele disse que nenhum antídoto foi usado. Nós imediatamente contatamos o Ministério das Relações Exteriores […] e continuamos sem respostas. Dois ou três dias se passaram. Nenhuma resposta", disse Yakovenko em uma conferência de imprensa em Londres.

    Skripal e sua filha Yulia estão hospitalizados desde 4 de março devido à exposição ao que os especialistas do Reino Unido disseram anteriormente ser o agente nervoso A-234. A primeira-ministra britânica, Theresa May, acusou a Rússia de orquestrar o ataque em Salisbury e expulsou 23 diplomatas russos. Moscou negou ter qualquer papel no envenenamento, apontando para a falta de evidências fornecidas por Londres para fundamentar suas acusações.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia divulgou no sábado (31) uma lista de 14 perguntas feitas pela embaixada russa no Reino Unido às autoridades do Reino Unido sobre o caso Skripal. Uma questão foca as informações sobre os antídotos usados para tratar os Skripals e o fato de que os médicos britânicos possuíam essas substâncias no local.

    Na terça-feira (3), Gary Aitkenhead, executivo-chefe do Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa (DSTL) em Porton Down disse à emissora SkyNews que o laboratório identificou o agente nervoso, mas não pôde provar que foi feito na Rússia ou determinar seu país de origem. A substância usada no ataque aos Skripals é extremamente tóxica e, até onde sabe Porton Down, não há antídoto que possa ser usado para reverter seus efeitos, continuou o oficial.

    Tema:
    Caso Skripal: as vítimas se recuperam (28)

    Mais:

    Opinião: depois do caso Skripal 'governo britânico provavelmente está com dias contados'
    Filha de Skripal: 'Eu acordei há uma semana, estou melhorando a cada dia'
    Caso Skripal: especialista revela por que mídia conta sobre 'laboratórios secretos russos'
    Rússia quer saber: o que aconteceu com animais de estimação do ex-espião Sergei Skripal?
    Tags:
    tensão diplomática, envenenamento, Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa, Gary Aitkenhead, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Alexander Yakovenko, Theresa May, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik