13:19 24 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Navio ligeiro de mísseis Grad Sviyazhinsk dispara míssil Kalibr

    'Não permitiremos que estraguem a Páscoa': Letônia fica indignada com exercícios russos

    © Sputnik / Denis Abramov
    Europa
    URL curta
    221028

    O político letão Artis Pabriks, deputado do Parlamento Europeu, expressou descontentamento com as futuras manobras russas, apelando, no entanto, a não temer os "exercícios russos".

    Em declaração no seu Twitter, o eurodeputado afirmou que "a Letônia não permitirá que a Rússia estrague a Páscoa [com suas manobras militares]", referindo-se aos disparos de mísseis russos no mar Báltico, planejados para o período entre 4 e 6 de abril.

    "Vamos estar vigilantes, vamos continuar atentos e seguros de nós e de nossos Estado e liberdade. Não permitiremos que estraguem a Páscoa", diz a postagem de Pabriks no Twitter.

    O político também lamentou os prejuízos econômicos que a Suécia, Polônia e Lituânia irão sofrer devido às manobras russas, pois estas interromperão o tráfego marítimo.

    Ainda por cima, o deputado disse que a Rússia possui território suficiente para realizar exercícios, qualificando as futuras manobras de "sinal de ameaça".

    Porém, o Ministério da Letônia reconheceu que, conforme os acordos internacionais, a Rússia tem o direito de realizar tais treinamentos no mar Báltico.

    Anteriormente os serviços de controlo aéreo da Rússia tinham informado a Letônia sobre manobras de mísseis entre 4 e 6 de abril em uma área do mar na zona econômica exclusiva letã. Riga, por sua vez, achou preocupantes os planos de Moscou e chamou o adido militar russo para receber informações detalhados sobre as futuras manobras.

    Mais:

    OTAN designa condição para restaurar cooperação anterior com Moscou
    Opinião: OTAN mente dizendo que seu potencial não corresponde à 'ameaça russa'
    Tags:
    indignação, exercícios, testes de mísseis, Parlamento Europeu, mar Báltico, Letônia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik