04:18 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Líbia, Muammar Kadhafi, (à esquerda) com homólogo francês, Nicolas Sarkozy (à direita) em Trípoli (foto de arquivo)

    Ex-presidente francês Sarkozy é detido por financiamento irregular da campanha

    © REUTERS / Pascal Rossignol
    Europa
    URL curta
    522

    O ex-presidente da França Nicolas Sarkozy foi detido pela polícia francesa por causa de irregularidades durante a campanha eleitoral de 2007, segundo comunica o diário Le Monde que citou uma fonte no tribunal. Em breve Sarkozy será interrogado no âmbito da investigação do caso.

    Atualmente Sarkozy continua detido na esquadra policial de Nanterre, onde está sendo interrogado sobre o alegado uso ilegal de dinheiro da Líbia para financiamento da campanha eleitoral, na qual obteve a vitória, informa o Le Monde.

    A investigação tinha sido iniciada em 2013, mas posteriormente foi suspensa. Em 2017, o caso foi reaberto e o juiz apresentou as acusações preliminares contra Nicolas Sarkozy, declarando que a investigação tem bastantes provas para iniciar o processo penal.

    O escândalo deflagrou na primavera de 2012 por Sarkozy ter alegadamente recebido apoio financeiro do ex-líder da Líbia Muammar Kadhafi. A edição francesa Mediapart publicou documentos, segundo os quais a Líbia teria transferido 50 milhões de euros (202 milhões de reais) para a campanha eleitoral de Sarkozy antes das eleições presidenciais em 2007.

    Além disso, os investigadores acusaram Sarkozy de receber subornos, de usar o cargo oficial para fins pessoais e de ocultar a violação do segredo de Estado.

    Nicolas Sarkozy foi presidente da França de 2007 a 2012.

    Mais:

    Filho de Muammar Kadhafi confirma que planeja se candidatar à presidência da Líbia
    Aquilo que não é dito: analista explica verdadeiras razões da crise na Líbia
    Contrariando todas as pesquisas, Fillon vence Sarkozy nas primárias francesas
    Tags:
    irregularidades, campanha eleitoral, detenção, financiamento, Nicolas Sarkozy, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik