02:03 27 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Vice-embaixador da Grã-Bretanha no Conselho de Segurança da ONU, Jonathan Allen, escuta um orador durante uma reunião urgente convocada pelos britânicos sobre o envenenamento de ex-espião russo (14/03/2018)

    Reino Unido diz não ser obrigado fornecer à Rússia amostras do veneno usado contra espião

    © REUTERS / Shannon Stapleton
    Europa
    URL curta
    2168

    O Reino Unido, através de seu enviado à ONU Jonathan Allen, disse que o país não é obrigado a fornecer amostras da substância recolhidas na investigação sobre o envenenamento do ex-oficial de inteligência russo Sergei Skripal.

    "Os colegas russos falaram sobre amostras, mas novamente isso é um mal entendido da convenção", disse Allen. "Não há disposições na convenção que exigem que o Reino Unido compartilhe amostras coletadas como parte de uma investigação criminal".

    Rússia se defende

    "Este incidente… é algo que beneficia a Rússia antes na véspera das eleições presidenciais e do Campeonato Mundial de Futebol?", disse o enviado russo ao Conselho de Segurança da ONU, Vasily Nebenzya nesta quarta-feira. Ele reiterou sua declaração anterior de que haveria provocações de todo tipo contra Moscou antes de eventos internacionais importantes.

    O enviado disse que poderia nomear vários países que se beneficiarão com o ataque em Salisbury, sem especificar devido ao princípio da presunção de inocência.

    O Reino Unido, acrescentou Nebenzya usou Skripal porque parece ser uma "vítima perfeita", o que poderia justificar qualquer mentira contra Moscou. Ele classificou as afirmações britânicas "sem fundamento" e exigiu uma investigação minuciosa sobre o caso.

    Anteriormente, o chanceler russo Sergei Lavrov, ressaltou que a Rússia estava pronta para cooperar na investigação, mas precisava ter acesso aos materiais do caso, incluindo amostras da substância em questão.

    Tags:
    Copa do Mundo de 2018, Conselho de Segurança da ONU, Vasily Nebenzya, Sergei Lavrov, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik