15:36 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Sergei Skripal, ex-coronel do serviço de inteligência militar da Rússia, durante uma audiência no tribunal do distrito militar de Moscou (foto de arquivo, 2006)

    Premiê britânica responsabiliza a Rússia por envenenamento de ex-espião russo e da filha

    © REUTERS / Kommersant/Yuri Senatorov
    Europa
    URL curta
    Envenenamento de ex-espião russo (100)
    35724

    A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou hoje que ou Moscou era responsável pelo envenenamento do ex-russo russo Sergei Skripal, ou permitiu que o agente caísse nas mãos de quem era responsável.

    O gabinete da primeira-ministra em Downing Street convocou o embaixador russo no Reino Unido a explicar uma substância neurotóxica produzida na Rússia foi parar em Salisbury, disse May ao Conselho de Segurança Nacional do Reino Unido.

    A primeira-ministra disse que era "altamente provável que um russo tenha sido responsável pelo ato contra Sergei e [sua filha] Yulia Skripal" e advertiu que Moscou agora tem até o final de terça-feira para divulgar os detalhes de seu programa neurotóxicos Novichok para o Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ). Se uma resposta credível não for recebida, Londres considerará o envenenamento como o uso da força no território britânico.

    May ressaltou que a questão não deve ser encarada como "típica da Rússia" e advertiu que a Grã-Bretanha estará pronta para tomar medidas mais extensas contra Moscou.

    De acordo com a primeira-ministra, a investigação sobre o envenenamento de Skripal continua.

    Em sua resposta, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia descreveu as observações de May como "exibição no Parlamento do Reino Unido".

    O ex-espião russo Sergei Skripal, de 66 anos, e sua filha Yulia, 33, foram encontrados inconscientes fora de um centro comercial na cidade inglesa do sul de Salisbury no dia 4 de março. A polícia suspeita que eles foram envenenados por um neurotóxico "muito raro". 

    Em 2006, um tribunal russo condenou Skripal de alta traição por colaborar com a agência de inteligência do Reino Unido MI6 durante seu serviço como oficial na inteligência militar russa. O oficial foi condenado a 13 anos de prisão. Em 2010, o então presidente Dmitry Medvedev perdoou Skripal como parte de um programa de troca de espiões, e ele se mudou para o Reino Unido, estabelecendo-se em Salisbury em 2011.

    Tom Tugendhat, presidente do Comitê de Assuntos Estrangeiros no Parlamento do Reino Unido, disse que o incidente de Skripal parece um caso de "tentativa de assassinato patrocinado pelo estado".

    Após a hospitalização de Skripal na semana passada, a mídia britânica acusou Moscou de envolvimento, uma reivindicação que as autoridades russas rejeitaram, citando a falta de provas. Na segunda-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, disse a uma jornalista da BBC que o Reino Unido deveria descobrir o que aconteceu com Skripal antes de discutir o problema com a Rússia.

    Tema:
    Envenenamento de ex-espião russo (100)
    Tags:
    Novichok, Comitê de Assuntos Estrangeiros no Parlamento do Reino Unido, Conselho de Segurança Nacional do Reino Unido, Parlamento do Reino Unido, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), MI6, BBC, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Theresa May, Dmitry Medvedev, Salisbury, Reino Unido, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik