12:29 19 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Militares ucranianos durante treinamento

    Por que militares ucranianos seriam importantes na possível guerra entre Rússia e OTAN?

    © Sputnik / Stringer
    Europa
    URL curta
    1024

    Em caso de haver uma guerra entre OTAN e Rússia, forças especiais ucranianas podem ser “indispensáveis” para a Aliança, acredita analista militar Konstantin Sivkov.

    Se houvesse um conflito, as tropas da Aliança se focariam em conquistar instalações nucleares da Rússia para privá-las de armas estratégicas. Neste caso, a OTAN apostaria em forças especiais.

    "Forças especiais [ucranianas] podem ser deslocadas à Rússia, tanto sob o disfarce de passageiros civis, como por aviões militares", escreve Konstantin Sivkov em seu artigo publicado pelo jornal Voenno-promyshlenny kurier.

    Após neutralizar o potencial nuclear russo, a OTAN com fim de garantir seu sucesso poderá recorrer às forças de reação rápida, "que estabelecerá um alto controle sobre o arsenal estratégico" da Rússia, escreve analista.

    Sivkov sublinha o papel especial de militares ucranianos no possível conflito.

    "Os soldados das forças especiais ucranianas são essencialmente importantes para a OTAN nestas condições. Tendo uma cultura e etnia semelhantes a da população russa, falam na mesma língua, eles [militantes das forças especiais] serão indispensáveis durante missões especiais", ressaltou o analista.

    Anteriormente, o chanceler russo Sergei Lavrov, falando durante seu discurso na Conferência para o Desarmamento em Genebra, afirmou que os Estados Unidos estão treinando a Europa para utilizar armas nucleares contra Moscou, sublinhando que a preservação de armamentos nucleares não estratégicos na Europa, bem como a prática de "missões nucleares conjuntas" dificulta o desarmamento.

    Mais:

    Rússia apela à OTAN para que pare de acusar Moscou de violar Tratado INF
    'Bicho papão russo': Suécia quer duplicar gastos militares até 2035 com defesa
    Tags:
    previsão, conflito armado, guerra, OTAN, Sergei Lavrov, Europa, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik