07:11 23 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki

    UE precisa de 'tanques de aço, não think tanks' para combater Daesh e Rússia, diz Polônia

    © Sputnik / Alexey Vitvitsky
    Europa
    URL curta
    7212

    A "ameaça russa" pode não ter liderado a agenda da Conferência de Segurança de Munique neste ano, mas não impediu o premiê polonês de dizer que a Europa precisa de mais "tanques de aço" em vez de "think tanks" (laboratórios de ideias) para combater o Daesh e Moscou.

    "Devemos ter tipos mais tradicionais de forças militares, mais cooperação um com o outro, então a Polônia apoia […] mais tanques de aço e não apenas think tanks", disse o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki.

    Ele passou a destacar o Daesh e a Rússia como duas ameaças à Europa.

    "Temos mais grupos de reflexão na Europa, mas talvez tenhamos poucas dessas forças tradicionais que são muito importantes em relação a uma guerra tipo híbrido como o Daesh, ou ameaças tradicionais e híbridas como a Rússia", pontuou.

    "As forças de presidente ou os guardas do Power Point" não são suficientes para construir uma política de defesa comum europeia, disse ele, acrescentando que as forças convencionais da União Europeia (UE) deveriam ser complementadas com a guerra cibernética e as despesas militares consistentes.

    Anteriormente, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, que foi um dos principais palestrantes em Munique, criticou o "mito irracional sobre a ameaça russa todo-poderosa" que capturou as mentes dos políticos europeus.

    O envolvimento da Rússia, disse Lavrov, está sendo buscado em todos os lugares, quer seja o referendo de Brexit, seja o voto de independência da Catalunha em 2017. "Isso é profundamente errado, e fala da falta de bom senso e compreensão de nosso país".

    Falando em Munique, Morawiecki acrescentou que os membros da OTAN na Europa deveriam fazer o máximo para atingir o objetivo de despesa de defesa de 2%, "para que não tenhamos os cavaleiros livres que vivem sob a Pax Americana, mas pretendem ser suficientes no contexto da segurança".

    Crise com Berlim

    O primeiro-ministro, que iniciou sua carreira no Deutsche Bundesbank na década de 1990, escolheu não especificar quem são os "cavaleiros livres", mas em uma entrevista anterior ao jornal alemão Die Welt, ele implicou que a Alemanha se beneficia da OTAN, mas reluta em compartilhar o despesa de defesa, e é "um cavaleiro livre que ameaça a unidade do Ocidente".

    O governo polonês, liderado pelo partido nacionalista de direita PiS, tem discutido há muito tempo com Berlim e Bruxelas sobre uma série de questões, incluindo as cotas de reassentamento de refugiados da UE e as polêmicas reformas judiciais da Polônia. No início desta semana, a chanceler alemã Angela Merkel deu as boas-vindas a Morawiecki na Alemanha, esperando que sua visita ajudasse os dois países a consertar laços.

    No entanto, antes da visita, Morawiecki disse que a linha está longe de terminar, acrescentando que Varsóvia desaprova os planos para o gasoduto NordStream 2 Rússia-Alemanha, que atravessaria o Mar Báltico e passaria a Polônia.

    Mais:

    'Russofobia': Trump adotará nova doutrina para uso e desenvolvimento de armas nucleares
    Ex-premiê da Polônia: 'russofobia se tornou doutrina estatal'
    Chanceler russo: russofobia no Congresso ameaça todo o mundo
    Tags:
    terrorismo, russofobia, segurança, defesa, diplomacia, OTAN, União Europeia, Sergei Lavrov, Mateusz Morawiecki, Angela Merkel, Rússia, Polônia, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik