01:43 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Militares ucranianos em Donbass, 5 de fevereiro de 2017

    Senador: EUA querem transformar pacificadores em Donbass em 'exército ocupacionista'

    © AFP 2018/ Aleksey FILIPPOV
    Europa
    URL curta
    340

    Washington pretende transformar os pacificadores da ONU em Donbass em um exército ocupacionista, afirmou o senador russo, Aleksei Pushkov, comentando o apelo do Departamento de Estado dos EUA à Rússia de aceitar uma missão de paz em Donbass.

    "O Departamento de Estado está, de facto, apelando a Moscou para aceitar que os pacificadores da ONU desempenhem o papel de exército de ocupação em Donbass, entregando a região ao regime de Kiev", escreveu o senador no Twitter.

    Pushkov ressaltou que tal estratégia é "compreensível, mas impossível" e que o departamento de Estado dos EUA deve entendê-lo.

    As autoridades ucranianas estão tentando organizar o envio de pacificadores da ONU para Donbass. Neste sentido, o líder russo Vladimir Putin afirmou que apoia tal ideia sob a condição de a missão apenas proteger os funcionários da OSCE.

    Anteriormente, o chanceler ucraniano, Pavel Klimkin, comunicou que Kiev, Washington, Berlim e Paris praticamente tinham elaborado o projeto conjunto de resolução da ONU sobre uma missão de paz em Donbass. Moscou, por sua vez, não apoia a iniciativa.

    Em abril de 2014, o governo ucraniano começou uma operação militar contra as autoproclamadas República Popular de Donetsk e de Lugansk (RPD e RPL, respectivamente), que tinham declarado a independência após o golpe de Estado na Ucrânia em fevereiro de 2014. Segundo os últimos dados da ONU, o conflito já levou as vidas de mais de 10 mil pessoas.

    Mais:

    Publicado VÍDEO das consequências de um dos combates mais ferozes em Donbass
    Presidente ucraniano sanciona 'lei da soberania' que estabelece reintegração de Donbass
    Suécia está disposta a enviar tropas a Donbass
    Tags:
    missão de paz, ONU, Aleksei Pushkov, Donbass, Rússia, Ucrânia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik