06:08 24 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Secretário de Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson

    Secretário de defesa britânico defende 'ameaça russa' como prioridade militar da nação

    © REUTERS / Yiannis Kourtoglou
    Europa
    URL curta
    1226
    Nos siga no

    Terroristas ceifaram vidas nas ruas de Londres e explodiram os concertos infantis em Manchester, mas o chefe de defesa da Grã-Bretanha acha que o Reino Unido deve se concentrar em outras "ameaças".

    A obsessão governamental com a Rússia deu um novo e gigante salto nesta semana, quando o chefe dos três braços militares britânicos, Gavin Williamson, delineou o que ele — como ex-empresário — decidiu ser a maior ameaça à segurança do Reino Unido.

    Para ele, é a Rússia. A mesma Rússia que foi alvo de ataques ao transporte público pelo mesmo inimigo que a Grã-Bretanha enfrenta: o terrorismo. Porém, a posição de Williamson pode desencadear uma mudança significativa na política de segurança, concentrando-se no Kremlin ante assassinos convictos.

    Williamson colocou Moscou no mesmo barco que Pyongyang, capital da Coreia do Norte, equiparando os medos infundados sobre a Rússia com uma nação que realmente ameaçou, quase semanalmente, desencadear a guerra nuclear.

    "Destacamos as ameaças baseadas ao Estado como a principal prioridade e a velocidade com que estão aumentando. Mas, dentro da largura de um cabelo, é seguida pela ameaça terrorista", disse ele ao Comitê de Defesa. "Provavelmente todos precisamos olhar para como devemos investir mais para lidar com essa ameaça que não tivemos que lidar nos últimos 25 anos".

    Mark Francois, um membro conservador do comitê selecionado e um ex-ministro da Defesa, avistou a mudança impressionante e questionou Williamson sobre sua vontade de mudar o foco das Forças Armadas britânicas. Ele disse que o movimento coloca as forças à disposição para a guerra.

    "Sim", respondeu Williamson.

    O chefe do gabinete disse que a Grã-Bretanha foi "pega cochilando" e insistiu que o conflito de Estado contra Estado é algo em que os militares devem investir.

    'Russofobia'

    O último ato da paranóia de Williamson parte de divagações feitas sobre a Rússia em janeiro, quando ele afirmou de maneira bizarra que gostaria de extrair cabos de comunicação de alto mar.

    Aparentemente vendo Moscou como um monstro, Williamson decidiu que a ordem seria dada para cortar as interligações elétricas da Grã-Bretanha para a Europa, prejudicando as relações internacionais de maneira irrevogável.

    Agora, como parte de uma revisão de defesa, Williamson está se concentrando fortemente na ameaça liderada por um Estado. Pelo menos foi isso o que ele apoiou em suas noções. Devido à presença dos russos na região do Mediterrâneo e ao "aumento da assertividade" do Kremlin, é hora de o Reino Unido ficar mais forte, disse ele.

    Isso ocorre apenas uma semana depois que a Grã-Bretanha ordenou que os navios passassem pelo disputado mar da China Meridional, muito mais perto da costa chinesa do que as falésias brancas de Dover. É claro, o movimento causou tensões internacionais.

    O governo britânico parece estar trazendo de volta a mentalidade 'Rule Britannia', mas Deus proíbe outra nação de reforçar seus próprios arranjos de segurança internacional. Isso, de acordo com Williamson, é quase uma declaração de guerra absoluta.

    Williamson tem brincado de soldado desde que ele assumiu o posto com zero conhecimento militar e está começando a mudar as coisas.

    "Mas, então, você está vendo novas nações que estão começando a desempenhar um papel maior no mundo, como a China. Você está vendo os desafios que enfrentamos em termos da Coreia do Norte", disse ele à comissão. "Se você não responde a essas ameaças, você está deixando nosso país muito menos seguro do que deveria ser".

    Curiosamente, há outra nação fazendo exatamente o mesmo. Os Estados Unidos. Washington foi ameaçada diretamente pela Coreia do Norte e listou as tensões do Estado como uma prioridade — naturalmente.

    Cortes

    A retórica agressiva de Williamson ocorre coincidentemente em um momento em que os militares devem conter um abismo de financiamento estimado em £ 30 bilhões (US$ 41,7 bilhões).

    Atualmente, há planos para a retirada de soldados, navios de guerra e adiar projetos de tecnologia de guerra para economizar dinheiro — embora o Ministério da Defesa (MoD) não esteja exatamente admitindo isso.

    Uma revisão de defesa interna, nascida de pedidos indignados de uma revisão da capacidade de segurança de Whitehall, considerará a forma e o tamanho futuro da Marinha, do Exército, da Força Aérea e do Comando das Forças Conjuntas. Por ora, a maioria está diminuindo seus números para baixas históricas.

    Mais:

    Times: Reino Unido desaprendeu de colaborar com a Rússia
    Reino Unido deve apresentar provas se quiser acusar a Rússia, diz relatório do Parlamento
    Reino Unido realiza exercícios militares para eventual guerra com Rússia
    Tags:
    segurança, ameaça, russofobia, guerra, Kremlin, Mark Francois, Gavin Williamson, Grã-Bretanha, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar