09:12 15 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban

    Cristianismo é a 'última esperança' da Europa, diz premiê da Hungria

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Europa
    URL curta
    26354
    Nos siga no

    O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Órban, reforçou seu discurso anti-imigração durante discurso neste domingo (18). O premiê concorre em abril a um terceiro mandato.

    "Nuvens escuras pairam sobre a Europa por causa da imigração", disse Órban durante seu discurso sobre o estado da União, em Budapeste.

    "As nações deixarão de existir, o Ocidente cairá, enquanto a Europa nem sequer perceberá que foi invadida", afirmou. "A oposição não sente a voz dos tempos."

    Para o premiê da Hungria, as grandes cidades europeias terão populações de maioria muçulmana em breve. Ele acusou União Europeia, Alemanha e França de "abrirem o caminho para o declínio da cultura cristã e o avanço do Islã". Órban afirmou que o cristianismo é a "última esperança" da Europa.

    Conhecido por suas críticas a recepção de imigrantes e refugiados, o líder húngaro é um crítico contumaz das políticas de Bruxelas. Ele também tem uma disputa pública com um compatriota famoso: George Soros — a quem acusa de orquestrar a ida de imigrantes. 

    No palco em que discursava, Órban estava ladeado de bandeiras com a frase: "para nós, Hungria primeiro".

    A posição de linha dura do premiê tem aumentado sua popularidade. As pesquisas de intenção de votos indicam que Victor Órban é o favorito do pleito.

    Mais:

    Hungria dá machadada em planos da Ucrânia e OTAN
    Putin vai ensinar Judô ao premiê da Hungria
    UE dá ultimato de 24 horas para Hungria, Polônia e República Tcheca aceitarem refugiados
    Para contornar embargo, Qatar importa vacas da Hungria
    Parlamento Europeu aprova resolução contra a Hungria e pede mudanças no país
    Hungria aprova lei que proíbe funcionamento de universidade de George Soros
    Tags:
    União Europeia, Viktor Orbán, Hungria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar