17:22 20 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Confrontos em Kiev em 2014

    Confira confissões de franco-atiradores georgianos sobre carnificina na revolta ucraniana

    © Sputnik / Andrei Stenin
    Europa
    URL curta
    4102

    No caso de Maidan surge uma nova viragem. Andrei Veselov, correspondente da Sputnik, conseguiu falar com supostos franco-atiradores. São cidadãos georgianos que estão prontos a testemunhar em tribunal ucraniano.

    A Sputnik teve acesso aos depoimentos oficias de Koba Nergadze e Aleksandre Revazishvili. Uma coincidência bem curiosa: o ex-presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, foi expulso da Ucrânia um dia depois de a Sputnik ter anunciado a publicação da matéria sobre a investigação. No dia seguinte ele teria que se apresentar perante o tribunal para falar sobre o processo dos franco-atiradores.

    O interrogatório, em conformidade com a Constituição, o código de processo penal e a lei sobre advogados e sua atividade da Ucrânia, foi realizado pelos advogados Aleksandr Goroshinsky e Stefan Reshko. Atualmente ambos representam os interesses dos ex-efetivos do Berkut no tribunal do bairro Svyatoshinsky em Kiev.
    Nergadze e Revazishvili assumiram a obrigação de "apresentar testemunhos (esclarecimentos) verídicos aos advogados e, mais tarde, no tribunal".

    Os supostos franco-atiradores contam muito detalhadamente sobre si mesmos e sua vida na Geórgia. Ambos no passado eram partidários ativos de Saakashvili. Nergadze era agente do assim chamado "sonderkommando" e Revazishvili era membro da organização Zona Livre. Ambos se ocupavam de intimidação de oposicionistas, espancamentos e provocações. Nergadze passou por treinamentos no estrangeiro, na Grécia, Alemanha e Lituânia. Foi ensinado, inclusive, a lidar com manifestantes: como obter informações, organizar as pessoas e criar situações de conflito.

    Situação na Praça da Independência de Kiev, conhecida como Maidan, em fevereiro de 2014
    © AFP 2018 / LOUISA GOULIAMAKI
    Situação na Praça da Independência de Kiev, conhecida como Maidan, em fevereiro de 2014
    Eles chegaram à Ucrânia por ordem de Mamuka Mamulashvili, conselheiro militar de Saakashvili que atualmente lidera a chamada "legião georgiana" que combate em Donbass do lado de Kiev.

    Os depoimentos apontam claramente que a questão do tiroteio foi debatida com Andrei Paruby (atual presidente da Suprema Rada) e Sergei Pashinsky (deputado da Rada). Os franco-atiradores recebiam orientações de um homem que foi apresentado como Christopher Brian e ex-militar norte-americano. As armas foram trazidas ao conservatório e ao hotel Ukraina pessoalmente por Pashinsky acompanhado por desconhecidos. Em 20 de fevereiro de 2014, no dia do tiroteio em massa, Pashinsky atirou pessoalmente com uma metralhadora. Vladimir Parasyuk, que na altura era chefe de um grupo de cem elementos que atuavam em Maidan e mais tarde oficial do batalhão Dnepr e deputado popular da Ucrânia, atirava com uma carabina Saiga.

    Pela viagem a Maidan o grupo de Nergadze recebeu US$ 10.000 (R$ 32.957), outros US$ 50.000 (R$ 164.785) foram-lhes prometidos serem pagos depois do regresso à Geórgia.

    Hoje em dia Koba Nergadze e Aleksandre Revazishvili estão se escondendo no território da Armênia temendo por sua vida. O apelo a tribunais e advogados é uma tentativa de tornar o caso público e assim se protegerem. Segundo eles contaram ao correspondente da Sputnik, aqueles que participaram do tiroteio em Maidan morreram posteriormente em circunstâncias estranhas.

    A Sputnik apresenta alguns fragmentos dos depoimentos oficiais apresentados por Nergadze e Revazishvili sobre sua estada em Kiev:

     

    • Aleksandre Revazishvili:

     

    No fim de janeiro de 2014 Koba Khabazi chamou Gogokhiya, Kemularia, Kipiani e a mim ao seu escritório da Zona Livre e nos ordenou para viajarmos para Kiev. Ele deu a cada um de nós US$ 1.000 (R$ 3.295) dólares e prometeu mais US$ 5.000 (R$ 16.475) depois do serviço. Ele não explicou o objetivo da missão, disse apenas que era para participar dos protestos em Maidan, ajudar os manifestantes. Nós os quatro, junto com Khabazi, chegamos a Borispol em um voo comum da companha UIA (as aeromoças eram ucranianas). No aeroporto fomos recebidos por Mamulashvili. Ele pegou nossos passaportes e se ocupou pessoalmente de preencher formalidades no posto de controle. Fomos levados ao mesmo apartamento na [rua] Vozdukhoflotsk. No dia seguinte Mamulashvili nos levou a Maidan e nos alojou em uma tenda situada em Maidan. Em Maidan, Khabazi nos deu instruções: tínhamos que provocar os manifestantes e passar à ofensiva. Nosso grupo em meio aos manifestantes participou de ações de força contra efetivos do Berkut: lançamos pedras e garrafas com coquetel Molotov. Em Maidan foi organizado o seguinte processo: uns traziam pedras, as posicionavam e passavam garrafas com coquetel Molotov, outros grupos atacavam o Berkut e a polícia. Todos esperavam que logo o Berkut passaria ao assalto final.

    Depoimentos de Koba Nergadze (página 1)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Koba Nergadze (página 1)

    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 2)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 2)
    Um dia na nossa tenda entrou um jornalista (não me lembro de que canal) para nos entrevistar. Virei as costas, pus o gorro sobre os olhos para que não me filmassem, com o jornalista falou Merab Kipiani, que contou que ele não tem que fazer na Geórgia e ele está pronto a disparar para ajudar ao povo ucraniano. Depois de o jornalista ir embora, nos apresentamos desagrado a Kipiani pelas suas palavras sobre a prontidão para atirar, houve um conflito entre nós. Na mesma noite contamos a Khabazi sobre o jornalista e as palavras de Merab. Khabasi respondeu que não fazia mal.

    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 3)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 3)
    Assim continuou até 15 de fevereiro: à nossa tenda chegou Mamulashvili com um ucraniano que se apresentou como Andrei, bem como com um homem vestido de uniforme de camuflagem que apresentou como ex-militar estadunidense Christopher Brian e nosso instrutor. Mamulashvili disse que ficávamos sob o comando de Andrei. Andrei disse que devíamos segui-lo até ao prédio do conservatório. Quando eles foram embora nós perguntamos a Khabazi: "Quem é Andrei e porque temos que lhe obedecer?" Khabazi disse que isso era necessário e que nós vamos obedecer a Andrei Pashinsky no conservatório (só depois soube que ele não era Andrei, mas Sergei).

    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 4)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 4)
    Nós os quatro passamos ao prédio do Conservatório para o segundo andar, onde passamos a noite: debaixo de uma janela grande. Além de nós lá havia ucranianos e naturais dos países bálticos. Nos últimos dias antes do tiroteio a entrada no prédio era bem limitada, qualquer um da rua não podia entrar no prédio.

    Os que estavam lá presentes quase não comunicavam com a gente, usavam apelidos. A disciplina lá era estrita, não era como em Maidan. Todos obedeciam apenas a Pashinsky. Entendi que aqui estavam reunidas pessoas para cumprir uma missão concreta.

    Em 19 de fevereiro chegaram Mamulashvili, Georgy Saralidze (apelido Malysh, [Pequeno] franco-atirador), Kikabidze, Kalandadze (ex-chefe do Estado-Maior no governo de Saakashvili) e mais cerca de dez pessoas, não conheço os outros. Mamulashvili se interessou como estávamos. Eles estavam rindo. Kolonadze perguntou a Mamulashvili em georgiano: "Cadê Misha?' Ele respondeu: "Está com Porokh."Depois Mamuka passou para o russo e chamou Pashinsky. Com que objetivo eles vieram, eu não sei. Ele foi embora com Pashinsky. Algum tempo depois, Pashinsky e mais alguns homens trouxeram para o prédio bolsas com armas. Na maioria eram carabinas SKS. O próprio Pashinsky tinha nas mãos uma Kalashnikov de calibre 7,62 com coronha aberta.

    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 5)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 5)
    Quase a todos os presentes Pashinsky entregou carabinas e um maço de munições. Do nosso grupo apenas Kipiani recebeu uma carabina. Com a gente no prédio estava um jovem com seu pai. Depois, pelas notícias na televisão, soube que seu sobrenome era Parasyuk. O menor chamava o mais velho de Batya [Papai] por isso pensei que fossem pai e filho. Pashinsky me pediu para ajudar com as posições de tiro. Disse que "à noite o Berkut pode assaltar o conservatório porque Yanukovich acordou com a Europa realizar eleições presidenciais e Maidan pode se dispersar, não podemos permiti-lo".

    Na noite de 19 de fevereiro apagaram as luzes no conservatório. Não sei para quê. Passada uma hora, um grupo de pessoas trouxe para a varanda três ou quatro projetores, os ligaram e os dirigiram em direção a Maidan. Percebi porque o fizeram: não há luz no prédio e não se pode ver quem está lá dentro e os projetores iluminam o lugar a atingir e cegam aqueles que vigiam o prédio.

    Depoimentos de Aleksandr Revazishvili (página 6)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Aleksandr Revazishvili (página 6)
    Na noite de 20 de fevereiro, aproximadamente às 04h00 ou 05h00, ouvi disparos e, como me pareceu, foram do lado do Palácio Oktyabrsky. Pashinsky saltou, pegou o walkie-talkie e começou gritando que parassem o fogo e que ainda não era a hora. Os tiros pararam imediatamente. Aproximadamente às 07h30, talvez mais tarde, Pashinsky ordenou a todos que se preparassem e minutos depois ordenou para abrir fogo: contra manifestantes e contra o Berkut, fazer dois ou três tiros e mudar de posição. Depois da sua ordem ‘Abrir fogo', todos os que estavam no conservatório, abriram fogo.

    O fogo era feito diretamente do parapeito no segundo andar através das janelas grandes do conservatório. Os atiradores estavam vestidos de modos diferentes, uns usavam camuflagem. Pashinsky e Parasyuk com seu pai estavam de negro. Muitos usavam máscaras. Pashinsky atirava de sua metralhadora com rajadas curtas. O jovem Parasyuk: de carabina Saiga, seu pai de carabina SKS, ele estava dentro do prédio junto à parede ao lado da janela.

    Alguns minutos depois, ouvi tiros do lado do hotel Ukraina. De lá o fogo era mais intenso. Os tiros do conservatório continuaram por 10-15 minutos.

    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 7)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Aleksandre Revazishvili (página 7)
    Depois Pashinsky ordenou a todos: "Deixem as armas e saiam do prédio." Os atiradores que estavam sem luvas limparam as armas para não deixar impressões digitais, largaram as armas, junto com ele saíram para a rua. Os tiros do lado do hotel Ukraina continuavam. Paramos perto do prédio do conservatório e, apenas depois de o fogo parar, aproximadamente cinco minutos depois, eu, Avtondil e Dato voltamos para a tenda. Kipiani, que atirava, não veio.

    Os manifestantes falavam entre si e ouvi que alguns consideravam que atiraram os próprios manifestantes; outros pensavam que tivesse sido o Berkut ou policiais. Alguns estavam com armas nas mãos: espingardas de caça. As pessoas estavam iradas. Voltamos para a tenda e esperamos por Mamulashvili e Khabazi. De dia ouvimos tiros perto do hotel Ukraina. Kipiani não veio. Tentávamos não sair da tenda. Passamos a noite. No dia seguinte em Maidan foram realizadas cerimônias fúnebres, ouvi através dos alto-falantes discursos de Klichko, Yatsenyuk e de alguém mais. Os apresentadores explicavam que o tiroteio foi organizado por Yanukovich e que foi ele que ordenou ao Berkut para abrir fogo.

    Avaliada a situação, voltamos para a tenda, tentávamos aparecer menos vezes em Maidan. Passamos mais uma noite, porque esperávamos que alguém da chefia viesse para nos dizer o que fazer.

    Dato, passeando por Maidan, soube de algum dos nossos compatriotas que Kipiani estava morto, foi encontrado com a cabeça perfurada. Depois disso eu deixei logo Maidan, pois entendi que me eliminariam como testemunha. Fui ao aeroporto Borispol e parti para Tbilisi. Avtondil e Dato ficaram em Maidan. Onde eles estão agora e o que aconteceu com eles, isso eu não sei."

     

    • Koba Nergadze:

     

    Em dezembro de 2013 todos os efetivos do serviço foram reunidos por Mamuka Mamulashvili, que declarou que era necessário partir urgentemente à Ucrânia para ajudar os manifestantes. Consideramos isto como uma ordem. Cada chefe de grupo, inclusive eu, recebeu dinheiro. Eu recebi US$ 10.000 (R$ 32.957) para o meu grupo: US$ 1.000 (R$ 3.295) para cada um. Além disso, ele prometeu que pagaria mais US$ 50.000 (R$ 164.785) para todo o grupo depois de a gente voltar. Disse para cada um dar uma foto para o passaporte. Mamuka Mamulashvili voou com o meu grupo. No aeroporto de Tbilisi Mamulashvili recolheu todos os passaportes e nos ajudou a passar o controle da guarda fronteiriça, que não fez nenhuma observação. No avião ele distribuiu-nos passaportes com nomes de outras pessoas. Eu recebi um passaporte com o nome de Georgy Karusanadze, ano de nascimento 1977. Percebi que Manulashvili nos ajudou a passar a guarda fronteiriça com documentos falsos. Era um voo fretado.

    Depoimentos de Koba Nergadze (página 1)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Koba Nergadze (página 1)

    Depoimentos de Koba Nergadze (página 2)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Koba Nergadze (página 2)
    Ao aterrissarem em Kiev (no aeroporto Borispol) fomos recebidos por um homem que se apresentou como Andrei (mais tarde soube que seu sobrenome era Paruby). Conforme o comportamento de Mamulashvili, ele e Paruby já se conheciam. Saímos do prédio do aeroporto e embarcamos em um micro-ônibus de cor azul. Paruby e Mamulashvili viajaram conosco. Chegamos a um prédio alto na rua Ushinsky (só soube o nome depois), não me lembro do número de casa, nem do apartamento, nem do andar. Nos alojaram em dois apartamentos de dois quartos. Não me lembro da data exata, 10-15 de dezembro de 2013.

    Depoimentos de Koba Nergadze (página 3)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Koba Nergadze (página 3)
    Passámos a noite lá, o micro-ônibus veio nos buscar como antes tinha sido acordado com Mamulashvili. Nos levaram a Maidan. Mamulashvili viajou conosco. Não deu nenhumas instruções concretas, disse que tínhamos de ajudar para que não houvesse gente bêbada, conhecer manifestantes e revelar provocadores por parte das autoridades. De fato, estávamos simplesmente em Maidan. Não participávamos de confrontos com os efetivos do Berkut. Cada dia nos levavam a Maidan, passávamos as noites no apartamento. A Virada do Ano passámos no hotel Ukraina. Além do meu grupo, lá estavam os chefes dos outros grupos com o seu pessoal: Kipiani, Kikabidze, Makishvili e Saralidze. Estes grupos chegaram separadamente do nosso, não sei quando. Aproximadamente em 10 de fevereiro de 2014 eu e o meu grupo estevávamos no terceiro andar e nos vieram visitar Mikhail Saakashvili, Andrei Paruby, Andrei Pashinsky e um homem em uniforme de camuflagem. Saakashvili cumprimentou todos ao ver seus compatriotas. Saakashvili nos apresentou o homem em uniforme como o ex-militar dos EUA Christopher Brian. Mais tarde soube de Mamulashvili que Brian cumpriu serviço no exército dos EUA como franco-atirador. Brian não falava russo, comunicava apenas com Saakashvili e Mamulashvili em inglês.

    Depoimentos de Koba Nergadze (página 4)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Koba Nergadze (página 4)

    No hotel Ukraina, além de nós e ucranianos, havia alguns lituanos e poloneses.

    Em 14-15 de fevereiro os chefes de grupos: eu, Kikabidze, Makishvili, Saralidze, não lembro os nomes de outros, fomos reunidos no terceiro andar por Andrei Paruby, Andrei Pashinsky, Mamulashvili e Brian. Paruby discursou perante a gente com as palavras: "…é necessário ajudar o povo irmão ucraniano e logo teremos uma nova missão." Eu tentei detalhar de que se tratava, mas Paruby disse que iria informar mais tarde. Naquele tempo em Maidan estava aumentando a tensão entre manifestantes e efetivos do Berkut. Vi nas mãos de manifestantes espingardas de caça, pistolas e coquetéis Molotov. Havia constantes confrontos físicos com policiais com uso de correntes e pedras. Os policiais não tinham armas de fogo, do que se aproveitavam os manifestantes.

    Depoimentos de Koba Nergadze (página 5)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Koba Nergadze (página 5)
    Aproximadamente na noite de 18 de fevereiro ao hotel chegou Andrei Pashinsky e alguns rapazes desconhecidos com bolsas grandes. Eles tiraram das bolsas: metralhadoras Kalashnikov de calibre 7,62 mm, carabinas SKS, um rifle SVD [Dragunov] com mira telescópica e uma carabina de produção estrangeira. Também distribuíram maços com munições. Pashinsky declarou que precisaríamos das armas para nos proteger, "se protejam, rapazes". Eu perguntei: "Proteger-nos de quem?". Pashinsky não respondeu e saiu do quarto. As armas foram distribuídas nos quartos onde estavam os membros de outros grupos. Eu e meus subordinados não pegamos armas. Eu vi outros começarem treinando segurando as armas e imitando tiros da janela. Mamulashvili explicou a todos que nossa tarefa é não permitir eleições presidenciais, senão o Maidan se dissolvia.

    Depoimentos de Koba Nergadze (página 6)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Koba Nergadze (página 6)
    Na noite de 19 de fevereiro de 2014 Mamulashvili se aproximou de mim e disse: "…Koba… amanhã teremos um dia difícil, uma missão especial que teremos que cumprir… será necessário criar o caos em Maidan e usar as armas contra todos os participantes: manifestantes e polícia, não tem diferença. O principal é atirar contra alvos vivos durante 15-20 minutos. Depois eu tenho que reunir todos e partir para Tbilisi." Eu me revoltei e disse que não acordamos isso em Tbilisi. Mamulashvili respondeu que na reunião de ontem eles tomaram decisão para passar a este plano e que isso é uma ordem. Eu perguntei por que não nos pagaram. Mamulashvili respondeu que receberemos o dinheiro depois do tiroteio. Eu respondi que depois do tiroteio logo teremos que partir para Tbilisi, e onde eu posso encontrá-lo para receber o dinheiro para todo o grupo, US$ 50.000. Mamulashvili respondeu que pagará logo depois de nós cumprirmos a missão. Paruby e Brian testemunharam esta conversa. Nós estávamos discutindo em georgiano, eles apenas escutavam. Eu estive presente em uma das sessões de instrução para os chefes de outros grupos: Brian dava as instruções em inglês, Mamulashvili interpretava. A ordem de atuação era a seguinte: o grupo liderado por Pashinsky se desloca para o conservatório. O grupo dele era composto de ucranianos, poloneses, georgianos e lituanos. O grupo de Pashinsky deve começar o tiroteio primeiro a partir do prédio do conservatório, 3-4 minutos depois — os que estão no hotel Ukraina, um atrás do outro e com intervalos de 1-2 minutos. Cada atirador deve atirar algumas vezes e ir embora deixando a arma. Conforme o plano, o tiroteio não deve durar mais de 20 minutos, para tornar impossível detectar o local onde estava o atirador. Receavam que polícia começasse o assalto e tomasse os atiradores como prisioneiros.

    Depoimentos de Koba Nergadze (página 7)
    © Sputnik /
    Depoimentos de Koba Nergadze (página 7)
    Mamulashvili distribuiu aos membros dos grupos braçadeiras brancas para distinguir "amigos" dos "inimigos". O meu grupo foi encarregado de proteger a entrada no hotel, o foyer, os corredores e andares. Não estávamos armados. Todos usavam roupa diferente: camuflagem, roupa civil, esportiva ou negra. Não havia exigências quanto à roupa.

    De manhã cedo, aproximadamente às 08h00, ouvi tiros do lado do conservatório. Depois de três ou quatro minutos, os grupos de Mamulashvili abriram fogo do hotel Ukraina. Eu estava no corredor do terceiro andar e vi, ao passar pelo andar, que dos quatros cujas janelas davam a Maidan o atirador atirava e seu colega fechava a janela depois de cada tiro, abrindo-a antes do próximo tiro. O atirador atirava à distância de 0,5 metros da janela. Os pares mudavam de quarto depois de efetuar o tiro e de lá efetuavam outro. Posso dizer que os pares de atiradores faziam aproximadamente 4-5 tiros durante 20 minutos. Depois tudo ocorreu conforme o plano: os atiradores deixaram as armas no quarto e saíram rapidamente do hotel. Quem e como tirou armas do hotel, isso eu não vi. Eu e Bezho ficamos no andar, mas como não encontramos Mamulashvili, descemos ao hall do hotel. Lá eu vi um ucraniano do círculo de Pashinsky, Paruby, (conhecido de Bezho) que disse: "…saiam daqui, senão terão problemas."

    Passagem aérea de Aleksandre Revazishvili
    © Sputnik /
    Passagem aérea de Aleksandre Revazishvili
    Partimos logo para o apartamento, pegamos nossas coisas e nesse próprio dia nós, eu e Bezho, partimos para Tbilisi.

    O passaporte que me deu Mamulashvili para viajar à Ucrânia, eu queimei na Geórgia. Hoje em dia uso o meu passaporte real.

    Os outros membros do meu grupo também partiram para Tbilisi.

    Passagem aérea de Georgy Karusamidze
    © Sputnik /
    Passagem aérea de Georgy Karusamidze

    Mais:

    Golpe contra Poroshenko? Vice-ministro da Defesa da Ucrânia foi detido
    Fantasma do Maidan? Kiev enfrenta protestos antigovernamentais
    Milhares de ucranianos marcham em Kiev pelo impeachment de Poroshenko (VÍDEO)
    Tags:
    golpe, massacre, franco-atiradores, Maidan, Kiev, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik