23:18 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Rússia Vladimir Putin fala perante a Assembleia Federal russa, Kremlin, Moscou, Rússia, 1 de dezembro de 2016

    Que papel 'Grande Rússia' desempenhou na demissão do chanceler holandês?

    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Europa
    URL curta
    14243

    A ministra holandesa do Comércio Exterior e Cooperação para o Desenvolvimento, Sigrid Kaag, foi nomeada chefe interina do Ministério das Relações Exteriores após o ex-chanceler Halbe Zijlstra ter se demitido por inventar um encontro com Vladimir Putin.

    Anteriormente, Halbe Zijlstra admitiu em entrevista ao jornal Volksrant não ter participado de uma reunião com o presidente russo em 2006, durante a qual Putin teria dito que considerava Bielorrússia, Ucrânia, países Bálticos e Cazaquistão como parte da "Grande Rússia".

    Segundo o diplomata, ele soube das afirmações de Putin de um colega seu e mentiu para não comprometer o verdadeiro participante do encontro. Após a confissão, Zijlstra decidiu deixar o cargo.

    Mais tarde, foi informado que além de inventar um encontro com Putin, o ex-chefe da diplomacia holandesa interpretou mal as palavras do líder russo.

    Ex-dirigente da petrolífera Shell, Jeroen van der Veer, afirmou que foi ele quem participou do encontro com Putin e afirmou nunca ter dito o que Zijlstra falou sobre a ideia expansionista do presidente russo. De acordo com Veer, Putin disse que "historicamente a 'Grande Rússia' é maior do que a Rússia atual", mas Zijlstra interpretou como o desejo de Putin de influenciar nos territórios ex-soviéticos.

    A embaixada da Rússia na Holanda, por sua vez, declarou que o incidente em questão é um assunto interno da Holanda, mesmo assim Moscou acredita que as supostas "ambições expansionistas" da Rússia não passam de falsas notícias.

    Segundo um comunicado da embaixada, as tentativas de atribuir à Rússia "ambições da Grande Rússia" são infundadas e só podem vir "daqueles que estão interessados em mostrar a Rússia como um inimigo […] e que está expandindo a infraestrutura da OTAN para o leste, provocando um confronto militar".

    Em 14 de fevereiro, Zijlstra deveria ter se encontrado com seu homólogo russo, Sergei Lavrov, mas devido ao incidente a reunião foi adiada.

    Mais:

    Chefe da OTAN afirma que Portugal já pode aumentar gastos com defesa
    Opinião: Moscou e Ancara alteram ordem mundial existente
    Tags:
    escândalo, demissão, Ministério das Relações Exteriores da Holanda, Shell, Sergei Lavrov, Vladimir Putin, Cazaquistão, Países Bálticos, Bielorrússia, Ucrânia, Holanda, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik