21:08 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Militantes do partido alemão Alternativa para Alemanha (AfD) protestam contra a chanceler Angela Merkel em Annaberg-Buchholz

    Caçador de nazistas apoia partido alemão de direita, mas depois muda de ideia

    © REUTERS / Matthias Schumann
    Europa
    URL curta
    421

    Um espião do serviço de inteligência israelense, o Mossad, que planejou a captura do nazista Adolf Eichmann, um dos arquitetos do Holocausto, declarou um polêmico apoio ao partido da direita conservadora no último sábado, apenas para mudar de opinião neste domingo.

    Rafi Eitan liderou uma operação israelense para rastrear e levar Eichmann à Justiça depois que o tenente nazista fugiu da Alemanha para a Argentina após a Segunda Guerra Mundial.

    Como ex-agente do Mossad e político israelense, Eitan criou controvérsia no sábado, aparecendo em um vídeo promocional para o partido Alternativa para Alemanha (AfD).

    Anteriormente, os membros do AfD foram acusados de racismo e antissemitismo, com o político do AfD, Bjoern Hoecke, tendo sido criticado no ano passado por ter descrito o Memorial do Holocausto, em Berlim, como um "monumento de vergonha".

    Eitan elogiou o AfD por seus recentes esforços para marcar o Dia do Memorial do Holocausto em uma mensagem postada online. Um discurso completo divulgado pelo AfD e atribuído a Eitan descreve o partido como uma "grande esperança para muitas pessoas".

    O israelense de 91 anos pediu à Alemanha que feche suas fronteiras "contra a imigração em massa muçulmana".

    "O imenso afluxo de imigrantes muçulmanos para a Alemanha nos últimos anos é preocupante para muitas pessoas — não só na Alemanha, mas também nos países vizinhos e entre os aliados políticos da Alemanha", diz o seu discurso.

    "Desejo-lhes com todo o meu coração que vocês sejam fortes o suficiente para acabar com a política de fronteiras abertas, parar a islamização adicional do seu país e proteger seus cidadãos do terrorismo e do crime. Segurança e soberania precisamos e queremos para nossos países. Em Israel, na Alemanha, na Europa. Vamos fazer isso juntos", disse Eitan.

    O ex-agente da inteligência parece acreditar que o AfD, que entrou no Parlamento (Reichstag) pela primeira vez no ano passado, crescerá como uma força maior em toda a Europa. "Em vez de 'Alternativa para a Alemanha', vocês podem se tornar uma 'Alternativa para a Europa'", disse ele.

    O embaixador de Israel na Alemanha, Jeremy Issacharoff, rotulou a mensagem de apoio de Eitan como "triste e vergonhosa".

    "Eu me oponho totalmente à declaração de Rafi Eitan feita anteriormente", disse ele em uma publicação no Twitter. "Eu acho difícil imaginar como o homem que capturou Eichmann, levando-o a julgamento em Israel, louvaria os alemães orgulhosos do passado nazista e esperaria que esses pontos de vista possam ser uma alternativa para a Europa. Triste e vergonhoso".

    Após a reação, Eitan disse neste domingo que estava "recuando" de endossar o AfD. "Este é um certo conceito que eu pensei que era correto, mas à luz das reações eu estou recuando", divulgou a rádio Maariv citando Eitan, como relatado pelo jornal israelense Haaretz.

    "Obrigado, eu não quero lidar com isso", ele acrescentou.

    Mais:

    Irã sentencia 'agente do Mossad' à morte por assassinato de cientistas
    Diretor do Mossad revela dimensão das missões israelenses de espionagem no exterior
    Alemanha: centro de tortura nazista é transformado em flat de luxo
    Tags:
    direita conservadora, nazismo, Segunda Guerra Mundial, holocausto, Haaretz, Mossad, AfD, Adolf Eichmann, Jeremy Issacharoff, Rafi Eitan, Israel, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik