18:28 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Ministro alemão das Relações Exteriores, Sigmar Gabriel (foto de arquivo)

    Ministro do Exterior alemão declara Alemanha culpada dos crimes do nazismo

    © REUTERS / Tiksa Negeri
    Europa
    URL curta
    934

    O ministro alemão das Relações Exteriores, Sigmar Gabriel, confirmou a culpa da Alemanha dos crimes nazistas em relação à Polônia no contexto da lei sobre o Holocausto, aprovado pelo Sejm, a câmara baixa do Parlamento polonês.

    Gabriel reconheceu os crimes do nazismo comentando as recentes decisões do Parlamento polonês relacionadas às acusações sobre a cumplicidade dos poloneses no extermínio nazista de judeus.

    "Não há dúvida alguma quem foi o responsável pelos campos de concentração, por sua gestão e assassínio de milhões de judeus europeus: os alemães", declarou ele.

    Gabriel explicou que o assassinato em massa foi organizado por alemães, enquanto o papel dos colaboracionistas não tem relevância. Além disso, o ministro expressou sua confiança em que "apenas uma análise escrupulosa da própria história do povo alemão pode levar à reconciliação". 

    O projeto de lei suscitou críticas tanto no governo da Ucrânia como no de Israel e EUA.

    A lei prevê penas até três anos de prisão pelo uso da frase "campos de extermínio poloneses" e de outras que possam ser interpretadas como tentativa de apresentar os poloneses como cúmplices dos crimes nazistas.

    É igualmente penalizada a propaganda da ideologia dos nacionalistas ucranianos e a negação do massacre de Volyn.

    Os judeus poloneses, por sua vez, opinam que as novas alterações não apenas pretendem reescrever a história, mas também limitar a liberdade de expressão, alegando que a nova lei supõe castigar quem diga a verdade sobre os cidadãos poloneses que mataram seus vizinhos judeus.

    Mais:

    Mistério nazi: encontrado motor-foguete da Luftwaffe em castelo polonês (FOTOS)
    Tags:
    história, nazismo, Segunda Guerra Mundial, Ucrânia, Polônia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik