00:42 19 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Germany's former Chancellor Helmut Kohl attends a stamp unveiling ceremony during a reception in Berlin. (File)

    Mídia: Ex-chanceler da Alemanha doou dinheiro a veteranos nazistas

    © REUTERS/ Wolfgang Kumm/Pool
    Europa
    URL curta
    0 60

    O ex-líder alemão Helmut Kohl acreditava que o chefe da Associação de ajuda mútua de ex-membros da Waffen-SS era "um homem decente", de acordo com a Spiegel Online.

    No início de sua carreira política, o jovem Helmut Kohl fez doações para uma organização de lobby que ajudou os criminosos nazistas presos, bem como seus parentes. A revelação foi trazida à tona pela revista alemã Spiegel Online, que teve acesso a documentos ainda inéditos ao público.

    Vladimir Putin homenageia o navio-tanque Christophe de Margerie
    © Sputnik/ Aleksei Druzhinin
    De acordo com a reportagem, os documentos revelam Kohl atestando a transferência de cerca de 200 marcos alemães (a moeda do país antes do Euro) para a Associação de ajuda mútua de ex-membros da Waffen-SS (HIAG), que em 1962 recebeu o nome do coronel-geral das tropas nazistas, Paul Hausser.

    Conforme relatado pela revista, as unidades de Hausser são conhecidas por terem cometido crimes de guerra. Quando a Segunda Guerra Mundial acabou, Hausser fez campanha para que o Estado pagasse pensões aos colegas militares e contribuiu para o encobrimento das atrocidades nazistas. No entanto, Kohl, como a revista notou, acreditava que Hausser era "um homem decente".

    A HIAG foi fundada por ex-altos membros da Waffen-SS na Alemanha Ocidental em 1951. Seu principal objetivo era reabilitar a ala armada do Partido Nazista após o fim da Segunda Guerra Mundial. 

    Helmut Kohl serviu como chanceler alemão de 1982 a 1998. Ele morreu em 16 de junho do ano passado, aos 87 anos.

    Tags:
    Segunda Guerra Mundial, Associação de Ajuda Mútua de Ex-membros da Waffen-SS (HIAG), Partido Nazista, Waffen-SS, Paul Hausser, Helmut Kohl, Alemanha Ocidental, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik