08:28 20 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    A chanceler alemã Angela Merkel prova cerveja durante o festival Trudering em Munique

    Merkel respira aliviada: sociais-democratas aprovam negociações por coalizão na Alemanha

    © REUTERS/ Michaela Rehle
    Europa
    URL curta
    0 21

    Os sociais-democratas da Alemanha do partido SPD votaram neste domingo a favor do prosseguimento das negociações formais com os conservadores da chanceler Angela Merkel, movendo a potência econômica da Europa um passo mais perto de um governo estável após meses de impasse político.

    Os delegados do SPD votaram por 362 a 279, com uma abstenção, para avançar com as negociações. Os líderes do partido de centro-esquerda concordaram com um plano de coalizão preliminar com o bloco conservador (CDU / CSU) de Merkel no início deste mês.

    Pouco antes de os deputados votarem, o líder do SPD, Martin Schulz – derrotado por Merkel nas eleições de setembro –, fez um pedido apaixonado em favor do "sim", dizendo-lhes que a sua decisão estava sendo observada em toda a Alemanha e na Europa.

    "Não se deve governar a qualquer preço", disse Schulz. "Mas nem se deve estar preparado para recusar qualquer preço para governar".

    Espera-se que as negociações de coalizão tenham prosseguimento nesta semana, um passo que será esperado pelos parceiros da Alemanha na Europa, onde Merkel desempenhou um papel de liderança nos assuntos econômicos e de segurança.

    Os membros do partido SPD ainda poderão votar em qualquer coligação final que vier a emergir, no entanto.

    Merkel e Macron

    Merkel e o presidente francês, Emmanuel Macron, disseram neste domingo que queriam aprofundar a cooperação bilateral e dar à União Europeia um novo impulso para uma integração mais próxima.

    O SPD e os blocos conservadores, que sangraram diante do apoio recebido pela direita alemã na eleição de 24 de setembro, chegaram ao acordo preliminar após conversas exploratórias sobre a renovação de sua aliança dominante.

    Os críticos do SPD, incluindo o líder da juventude do partido, Kevin Kuehnert, argumentaram que o plano exploratório não suportou o suficiente das características do SPD.

    A moção aprovada pelos delegados no domingo abriu o caminho para a linguagem inclusa sobre as melhorias ao plano que veriam concessões conservadoras sobre as políticas de trabalho, saúde e migração.

    "Vamos lutar por novas melhorias nas negociações da coalizão se continuarmos as conversações", disse Schulz no Congresso de Bonn, a capital da antiga Alemanha Ocidental, onde os chanceleres tardios do SPD Willy Brandt e Helmut Schmidt conquistaram reputação como estadistas internacionais.

    Os principais conservadores rejeitaram as exigências do SPD para grandes concessões, o que tende a manter o suspense sobre um acerto final entre Merkel e os sociais-democratas, o que evitaria que a primeira-ministra tivesse de governar com uma minoria, ou ainda convocasse novas eleições.

    Mais:

    Merkel investe as fichas em 'grande coalizão'
    Os alemães raramente estiveram tão divididos, diz Merkel em discurso de Ano Novo
    Alemanha: 47% dos alemães querem saída de Angela Merkel
    Tags:
    estabilidade, política, coalizão, União Europeia, CSU, CDU, Partido Social Democrata da Alemanha (SPD), Emmanuel Macron, Angela Merkel, Martin Schultz, Bonn, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik