13:29 25 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Maidan Nezalezhnosti, em Kiev, durante protesto

    Analista adverte sobre possibilidade de novo Maidan na Ucrânia

    © Sputnik / Andrey Stenin
    Europa
    URL curta
    530

    Até 2019, a Ucrânia pode virar o palco de um novo Maidan se o presidente Pyotr Poroshenko não cumprir suas promessas quanto luta contra a corrupção, considera a pesquisadora principal do centro Atlantic Council, Diane Francis.

    Mais cedo, Poroshenko havia apresentado ao parlamento ucraniano o projeto de lei para criação do Supremo Tribunal Anticorrupção. O líder ucraniano declarou que o projeto contém as recomendações principais da Comissão de Veneza. Particularmente, o projeto pressupõe garantias de segurança para os juízes anticorrupção, bem como a transparência na contratação deles. No entanto, a organização não governamental Transparency International na Ucrânia propôs a Poroshenko retirar o projeto e completá-lo, pois a organização considera que este não corresponde às recomendações da Comissão de Veneza.

    "Poroshenko tem pouco tempo. O Tribunal Anticorrupção tem que começar a funcionar a tempo de poder deliberar e julgar, pelo menos, os processos abertos pelo Bureau Nacional Anticorrupção da Ucrânia até às eleições de 2019. Outras reformas têm que ser terminadas no início deste ano", aponta a analista.

    Sem estas transformações, acredita Diane Francis, há possibilidade de haver mais um protesto nas vésperas das eleições, que receberá grande apoio internacional. Para a analista, com todo o "esteio militar" de que agora dispõem os ucranianos, eles finalmente podem derrubar "suas elites odiosas".

    A autora cita resultados de uma enquete realizada entre os ucranianos e que mostrou que quase 80% deles consideram malogrados os sucessos das autoridades no combate à corrupção.

    Por "esteio militar" Francis entende, em primeiro lugar, o grande número de participantes e ex-participantes de ações militares no leste da Ucrânia e, em segundo, a potência acrescida, inclusive graças aos EUA, do exército ucraniano. Lembramos que os Estados Unidos já aprovaram a entrega de armas letais a Kiev.

    Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko
    © Sputnik / Serviço de imprensa do presidente da Ucrânia
    A analista do Atlantic Council se refere também ao assim chamado Grupo Privado de Kiev que consiste de pelo menos 200 "tecnocratas" que, na opinião dela, poderiam realizar uma transferência pacífica. Além disso, continua, existem centenas de parlamentares, financistas, juristas, ativistas e líderes políticos honestos, bem como infraestruturas financeiras mais fortes e o país conta com "parceiros ocidentais importantes".

    Tudo isso, segundo Diane Francis, distingue a situação atual daquela que existiu no tempo do Maidan de 2014 que começou na praça central da capital ucraniana, Kiev, em 21 de novembro de 2013. Os confrontos duraram vários meses e deixaram muitos mortos e feridos. O Maidan levou à derrubada do presidente Viktor Yanukovich e ao conflito armado no leste do país que até hoje ainda não foi resolvido.

    Mais:

    Poroshenko: 'Ainda há um longo caminho para estabelecer a paz sustentável em Donbass'
    Poroshenko revela como potencial militar ucraniano foi reforçado nos últimos anos
    Poroshenko: União Soviética é culpada pela corrupção na Ucrânia
    Tags:
    corrupção, presidente, derrubada, protesto, Maidan, Pyotr Poroshenko, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik