07:58 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Escova sanitária em penico

    Doadores de excrementos dinamarqueses ganham 'dinheiro sujo'

    CC0
    Europa
    URL curta
    162

    Depois de terem sido encontrados sinais de que várias doenças, do câncer a diabetes, podem ser tratadas com ajuda do que sai dos intestinos humanos, a tendência em saúde de transplantação de fezes se espalhou por todo o mundo, dando aos doadores de matéria fecal a possibilidade de enriquecer simplesmente com a venda de suas "obras".

    O hospital privado Aleris-Hamlet em Soborg, Dinamarca, está coletando fezes "saudáveis" para transplantação em pacientes cuja flora intestinal está danificada. Para os doadores, parece ser bastante fácil ganhar algum dinheiro extra.

    Por exemplo, Mads Raersboel, de 25 anos, vende diariamente suas fezes por cerca de 25 dólares por amostra (80 reais). Contudo, registrar-se como doador de fezes é muito difícil. De 700 voluntários do mundo ocidental, somente três foram selecionados, pois apenas um por cento dos ocidentais têm uma flora intestinal suficientemente saudável para ser transplantada.

    Mads é um atleta de elite. Ele corre 30 quilômetros por dia e tenta comer o mais saudável possível porque o seu sonho é participar dos Jogos Olímpicos em Tóquio em 2020.

    "Os meus pais sempre foram doadores de sangue e eu também queria. Mas os meus treinamentos não me permitem isso. Assim, eu doo as minhas fezes em vez disso", declarou ele ao diário sueco Swedish Expressen, explicando que ele entrega o produto em uma bolsa de segunda a sexta.

    No hospital Aleris-Hamlet, as bactérias "boas" extraídas de fezes são usadas para produção de pílulas que devem ser tomadas com um copo de água. Alternativamente, a microflora intestinal pode ser restaurada por introdução de flora bacteriana por infusão de fezes via colonoscopia ou clister. O efeito positivo já é visível após dez dias a um mês. Atualmente, os experimentos estão sendo realizados em várias partes da Dinamarca.

    "Estou certo de que isso ajuda. Ouvi contarem várias histórias e também encontrei um homem que esteve muito doente por anos, mas conseguiu se livrar completamente dos sintomas", concluiu Mads.

    Mesmo que alguns dos seus amigos tenham rido dele no início, as chacotas começam a diminuir quando ele revela a importância do órgão de oito metros de comprimento que é o intestino.

    Mais:

    'Tenho medo de viver aqui': esta é a cidade onde cai neve preta (FOTOS, VÍDEO)
    Atrizes pornô e mistério ao redor de suas mortes: entenda onda de suicídio
    Chinesa viveu 6 anos com pimenta malagueta presa nos pulmões
    Tags:
    fezes, tratamento, doença, medicina, saúde, esporte, Dinamarca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik