14:19 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Preparativos para a cimeira da UE em Bruxelas

    União Europeia quer entrada de países dos Bálcãs até 2025, mas disputas podem barrar meta

    © Sputnik / Alexey Vitvitsky
    Europa
    URL curta
    0 32
    Nos siga no

    Sede da União Europeia (UE), Bruxelas quer estabelecer 2025 como o ano de outro aumento do bloco, que deverá incluir países dos Bálcãs Ocidentais. No entanto, conflitos locais em curso podem dificultar tais planos.

    A Comissão Europeia deve revelar os seus planos relativos ao futuro da UE em um novo documento de estratégia a ser adotado entre 7 e 14 de fevereiro. O documento é pensado para dizer que "Montenegro e a Sérvia devem estar prontos para a adesão até 2025", se os dois países puderem entregar "reformas reais e soluções duradouras para disputas com vizinhos", de acordo com o site EU Observer, que obteve um rascunho do documento.

    A estratégia também prevê que outros países dos Bálcãs Ocidentais, como a Albânia, a Bósnia e a Macedônia, e a província do Kosovo, em grande parte albanesa e que declarou independência em 2008, deveriam estar "bem avançados" nas negociações com a UE.

    Se for adotado, o documento marcaria uma mudança significativa da posição anterior da UE sobre o alargamento do bloco, que foi expresso pelo chefe da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em 2014. Naquele momento, ele disse que o bloco não veria nenhuma ampliação no futuro próximo.

    No entanto, o documento avisa explicitamente que todos os candidatos à adesão à UE devem resolver todas as disputas com os vizinhos. "A UE não pode nem irá importar disputas bilaterais. É por isso que todos os parceiros dos Bálcãs Ocidentais envolvidos devem resolver tais disputas com urgência", diz o documento preliminar, citado pelo site.

    Caso contrário, o documento diz que questões regionais podem atrasar o que ele chama de "ambicioso" cronograma. Também pede aos países dos Bálcãs Ocidentais que resolvam seus problemas através da arbitragem internacional e particularmente em Haia, acrescentando que tais decisões internacionais devem ser "vinculativas, finais" e "totalmente respeitadas".

    A Sérvia e Montenegro já iniciaram conversações de adesão com a UE, enquanto a Albânia e a Macedônia esperam lançá-las em 2018. Já a Bósnia e Herzegovina está apontando para o status de "candidato", enquanto o Kosovo está considerando apresentar um pedido formal para adquirir esse status.

    Disputas históricas

    No entanto, o futuro dos países dos Bálcãs Ocidentais que se juntam à UE pode não ser tão brilhante como muitas esperanças. A UE ainda insiste em que a Sérvia deve "normalizar" suas relações com o Kosovo, que não reconhece como um Estado independente, antes de poder se juntar ao bloco.

    A nova estratégia também deverá exigir que Belgrado realize uma "normalização abrangente das relações entre a Sérvia e Kosovo sob a forma de um acordo juridicamente vinculativo", que é chamado de "crucial" para as perspectivas da Sérvia na UE. Também diz que "os líderes no caminho da UE têm um interesse estratégico em apoiar as aspirações da UE de seus parceiros".

    O reconhecimento do Estado de Kosovo é, no entanto, um problema importante para Belgrado. Em outubro de 2017, o presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, voltou a chamar a atenção para as controvérsias em torno da secessão do Kosovo ao compará-lo com o referendo na região espanhola da Catalunha.

    "Como você proclamou a secessão do Kosovo como legal, mesmo sem um referendo, e como 22 países da União Europeia legalizaram esta secessão, enquanto destruíam o direito europeu e os fundamentos do direito europeu, sobre os quais a política européia e a política da UE se baseiam", disse. Ele também disse que a política da UE em relação ao Kosovo e à Catalunha "é o melhor exemplo dos padrões duplos e hipocrisia da política mundial".

    Presidente turco Reccep Tayyip Erdogan
    © REUTERS / Murat Cetinmuhurdar/Presidential Palace

    Enquanto isso, os próprios problemas de Kosovo vão muito além das suas relações com a Sérvia. Cinco Estados-membros da UE, incluindo Espanha, Grécia, Romênia, Eslováquia e Chipre, também não reconheceram sua independência e isso poderia potencialmente impedir que ele se juntasse ao bloco.

    Além disso, o líder do Kosovo, Ramush Haradinaj, disse recentemente que bloquearia um julgamento em Haia sobre crimes de guerrilha no Kosovo. O movimento já provocou uma reação irritada em alguns países europeus, enquanto a França, a Alemanha, a Itália e o Reino Unido advertiram o Kosovo de que tais ações poderiam impactar negativamente "a integração internacional e euro-atlântica do Kosovo".

    Outras questões regionais incluem uma disputa de nomes entre a Macedônia e a Grécia, bem como uma série de disputas fronteiriças, particularmente entre os membros da UE Croácia, Bósnia, Montenegro e Sérvia. Atenas e Skopje, no entanto, recentemente indicaram que estão perto de resolver o problema com o nome da Macedônia, o que, segundo a Grécia, implicava uma reivindicação de uma região grega com o mesmo nome.

    Enquanto isso, a UE planeja publicar seu relatório periódico sobre os progressos nas negociações com os países dos Bálcãs Ocidentais em abril. Também realizará uma nova cúpula dos Bálcãs Ocidentais no dia 18 de maio na capital búlgara de Sofia, no 15º aniversário da cúpula da UE em Thessaloniki, Grécia, onde os estados dos Bálcãs Ocidentais foram mencionados pela primeira vez como possíveis novos membros do bloco. 

    Mais:

    União Europeia prolonga sanções contra a Rússia por mais 6 meses
    Ministro alemão: Turquia e Ucrânia não se juntarão à União Europeia no futuro próximo
    Quase 80% da população da Turquia apoia adesão do país à União Europeia
    Tags:
    disputa, adesão, diplomacia, política, União Europeia, Jean-Claude Juncker, Balcãs, Bósnia, Albânia, Kosovo, Macedônia, Montenegro, Sérvia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar