10:05 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira soviética

    Ucrânia exige qualificar época da URSS como 'ocupação' mantendo as terras que ganhou

    © Sputnik / Vladimir Semenyuk
    Europa
    URL curta
    9723

    A Ucrânia precisa de um trabalho de informação em larga escala para reconhecimento da “ocupação” do regime soviético, afirmou o diretor do Instituto de Memória Nacional da Ucrânia, Vladimir Vyatrovich, à mídia do país.

    Entretanto, o historiador assegurou que o ato sobre a Independência da Ucrânia, datado de 1991, não será revisto, pois se trata da indivisibilidade e integridade do território do país.

    De acordo com Vyatrovich, citado pelo 5 Canal ucraniano, é muito importante que se tomem "os passos políticos e legislativos que poderiam dar continuidade ao estadismo ucraniano desde os anos 17-21 [anos da revolução e consequente guerra civil na Rússia] até o Estado moderno".

    Ademais, o analista adiantou que o trabalho com os dados deve "moldar a continuidade da atual Ucrânia em relação à República Popular da Ucrânia" e definir a essência da época soviética na história do país.

    "Trata-se da ocupação soviética sobre a instauração do regime, primeiro dos bolcheviques, e depois da ocupação comunista", observou.

    Para ele, o ano de 2017 pode ser qualificado como o "centenário do início da agressão dos bolcheviques".

    A República Popular da Ucrânia foi fundada em 1917, na sequência da Revolução de Outubro. Na época, ela de fato não incluía os territórios da Ucrânia ocidental, da Crimeia e da região de Dontesk, bem como partes da Bessarábia, Odessa e Transcarpátia. Todas estas terras eram parte da Ucrânia no período entre 1919 e 1954.

    Mais:

    Política forte e educação de primeira: Putin indica caminhos para Rússia e relembra URSS
    Muitas promessas, nenhum cumprimento: como OTAN mentiu para URSS
    A quem Ucrânia vende as armas herdadas da URSS?
    Tags:
    território, bolcheviques, Crimeia, Ucrânia, Rússia, URSS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar