18:30 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Bruno Le Maire

    França quer fim das sanções contra Rússia e canal comercial à China com ajuda de Moscou

    © AFP 2018 / ERIC PIERMONT
    Europa
    URL curta
    5152

    O ministro da economia e das finanças da França disse que o país está se movendo para um período de reequilíbrio, com o objetivo de criar uma "espinha dorsal" comercial com a China através da Rússia.

    Bruno Le Maire fez a declaração em entrevista ao Wall Street Journal em dezembro, durante a visita do ministro a Moscou. "Estamos nos movendo de um mundo dominado por relações transatlânticas muito exclusivas para um reequilíbrio", disse Le Maire.

    "Os EUA são um aliado próximo e o principal parceiro comercial da Europa, mas podemos ver claramente as dificuldades", afirmou o ministro, criticando os EUA por manter a ameaça de "sanções extraterritoriais" — legislação que deixa Washington penalizar as empresas estrangeiras com as operações dos EUA para fazendo negócios na Rússia.

    "Isso é contrário à nossa visão de uma organização global multilateral", disse Le Maire, expressando a esperança de que as sanções francesas contra a Rússia em breve sejam levantadas. "As condições não são atendidas para que possamos levantar ou aliviar as sanções, mas espero — eu realmente espero — que ela evolua", declarou Le Maire.

    O presidente francês Emmanuel Macron está pronto para lançar a iniciativa após sua visita à China em janeiro e ao Congresso Financeiro Internacional de São Petersburgo em maio.

    A França tem todas as motivações para aumentar o seu comércio com a Rússia e a China. Em 2016, o comércio da Rússia com a França totalizou US$ 13 bilhões, um aumento de 13,80% em relação a 2015. Em relação à China, a França continua a ser o segundo parceiro comercial mais valioso com um volume comercial combinado de € 167 bilhões (US$ 200 bilhões).

    Enquanto a França tem o poder de levantar as sanções contra a Rússia em escala nacional, é improvável que o faça unilateralmente sem o apoio de Bruxelas. Desde 1997, as relações políticas e económicas da União Europeia (UE) com Moscou basearam-se num Acordo de Parceria e Cooperação (PCA).

    Embora o comércio entre a UE e a Rússia continue, tem sofrido um declínio nos últimos anos na sequência das sanções ocidentais. Em 2016, o comércio UE-Rússia foi de € 191 bilhões, segundo dados da Comissão Europeia. Em comparação, a China e a Europa vendem em média mais de € 1 bilhão por dia.

    Fator Trump

    Qualquer decisão de ampliar o comércio provavelmente será ditada pelos formuladores de políticas em todo o Atlântico. A China já foi acusada pela administração do presidente Donald Trump de ser um manipulador de moeda, embora a posição econômica beligerante em relação a Pequim tenha sido atenuada, já que os EUA continuam buscando a ajuda da China para resolver a crise coreana.

    Ao mesmo tempo, Washington não parece ter medo de continuar a usar um bastão. No final de novembro, os EUA sancionaram três empresas comerciais chinesas, pois busca prejudicar o financiamento do programa nuclear da Coreia do Norte. Trump também interveio em agosto para negar que a empresa de capital privado da Canyon Bridge, que é apoiada pelos chineses, adquiriu um fabricante de chips da América, Lattice Semiconductor Corporation, por US$ 1,3 bilhão.

    No início de agosto, os EUA aprovaram legislação que impõe novas sanções econômicas contra três nações, incluindo a Rússia, o que praticamente impossibilitou a Trump de levantar as restrições introduzidas contra Moscou sem a aprovação do Congresso. Até 29 de janeiro, Washington poderia emitir novas restrições econômicas para incluir a possível exclusão de bancos e empresas russas do sistema de pagamento SWIFT — a rede global de serviços de mensagens financeiras seguras.

    Mais:

    Como responderá Rússia às 'sanções de mísseis' dos EUA?
    'Fogo amigo': Rússia e China ignoram protestos de Kim e impõem sanções à Coreia do Norte
    'Temos outras prioridades': ministro alemão pede que EUA acabem com sanções contra Rússia
    Tags:
    sanções, diplomacia, política, União Europeia, Donald Trump, Emmanuel Macron, Bruno Le Maire, Rússia, China, Estados Unidos, Europa, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik