21:36 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    015
    Nos siga no

    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse na quinta-feira que ele considera líderes da Alemanha e da Holanda como "velhos amigos", apesar de acusá-los anteriormente de empregar "práticas nazistas" contra cidadãos turcos e o seu governo.

    Falando com jornalistas a bordo de um voo de volta de um tour de quatro dias pela África, o líder da Turquia disse que Ancara deseja "boas relações com a União Europeia (UE) e os países da UE".

    Erdogan, que lançou mão de muito abuso verbal contra as nações europeias este ano, fez uma reviravolta brusca, dizendo que "não temos um problema com a Alemanha, Holanda ou Bélgica". "É exatamente o contrário, os líderes desses países são meus antigos amigos. Eles me fizeram coisas erradas, mas isso é uma questão diferente", afirmou.

    A disputa verbal de Erdogan com a Europa começou em março, quando a Alemanha e os Países Baixos impediram que autoridades turcas tivessem reuniões com turcos expatriados em apoio a um referendo que concedeu à Erdogan novos poderes presidenciais.

    Depois que os holandeses recusaram a entrada do turco Mevlut Cavusoglu no país, Erdogan denunciou o que descreveu como "restos nazis" e "fascistas" na Holanda.

    Depois que os governos locais alemães cancelaram os comícios pró-Erdogan em suas cidades para obter apoio ao referendo, Erdogan disse que alguns líderes europeus "reviverão as câmaras de gás", criticando especificamente a chanceler alemã Angela Merkel.

    "Quando os chamamos de nazistas, eles [a Europa] ficam desconfortáveis. Eles se reúnem em solidariedade. Especialmente Merkel. Ela também apoia [a Holanda]. Você também está usando práticas nazistas. Em quem? Em meus irmãos e irmãs turcos na Alemanha", disse o líder turco.

    Então, em setembro, Erdogan desviou Merkel e suas reservas sobre a tentativa da Turquia de se juntar à UE.

    "O que aconteceu é o nazismo", disse Erdogan, referindo críticas à Turquia feitas pelo chanceler alemão durante um debate eleitoral com seu rival político, Martin Schulz.

    O primeiro-ministro holandês Mark Rutte descreveu os comentários incendiários de Erdogan como "fora de linha", enquanto Merkel e seu governo disseram que as comparações nazistas de Ancara eram ofensivas e inaceitáveis.

    Efeito Jerusalém

    A recente mudança de tom de Erdogan ocorre dias depois que a Alemanha e os Países Baixos votaram a favor de uma resolução da Assembleia Geral da ONU declarando o reconhecimento dos EUA de Jerusalém como a capital de Israel "nula e sem efeito".

    A Turquia desempenhou um papel de liderança na oposição ao movimento de Jerusalém, com convocação de Erdogan uma cúpula de emergência da Organização da Cooperação Islâmica (OIC) em Istambul logo após o anúncio de Trump.

    "Sobre a questão de Jerusalém, eu queria apoio deles. Eles estão na mesma página que nós", disse Erdogan. Ele acrescentou que ele havia chamado o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier recentemente para agradecer pessoalmente.

    No entanto, sobre a questão da adesão da Turquia à UE, Erdogan e seus "velhos amigos" ainda parecem estar em desacordo. Em novembro, a UE anunciou cortes massivos em fundos vinculados à oferta de adesão de Ancara.

    "Não consigo imaginar que a Turquia ou a Ucrânia se tornem membros da UE nos próximos anos", disse o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, em uma entrevista realizada em 26 de dezembro.

    Mais:

    Pentágono ainda tenta dissuadir Turquia da compra de sistemas antiaéreos S-400 russos
    Chanceler austríaco não vê lugar para Turquia na UE
    Turquia desafia Israel: Erdogan diz que pretende abrir embaixada em Jerusalém Oriental
    Tags:
    Turquia, Alemanha, Holanda, Jerusalém, Israel, Europa, Recep Tayyip Erdogan, Mevlut Cavusoglu, Angela Merkel, Mark Rutte, Sigmar Gabriel, União Europeia, nazismo, diplomacia, relações bilaterais, muçulmanos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar