18:45 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Vítimas do Holocausto marcham por uma das estreitas veredas do campo de concentração de Auschwitz (foto de arquivo)

    'O contador de Auschwitz': Alemanha decide que ex-oficial nazista de 96 anos será preso

    © AFP 2018 / Yad Vashem Archives
    Europa
    URL curta
    219

    A corte constitucional da Alemanha decidiu que o ex-oficial nazista Oskar Groening, de 96 anos, deverá cumprir sua pena atrás das grades. Conhecido como "o contador de Auschwitz", ele era responsável por organizar o dinheiro roubado daqueles que chegavam no campo de concentração mais famoso da Segunda Guerra Mundial.

    Groening foi condenado em 2015 a quatro anos de cadeia, mas disputas legais o mantiveram em liberdade deste então. 

    A corte constitucional da Alemanha, a mais instância do Judiciário no país, recusou os argumentos da defesa do ex-oficial nazista de que a detenção violaria seu direito à vida, sob o argumento que a gravidade dos crimes cometidos tornava importante sua punição. 

    Para a corte, Groening foi um "acessório" no assassinato de 300 mil pessoas. 

    Groening diz reconhecer sua responsabilidade moral sobre os crimes e confessa que era um nazista entusiástico quando foi enviado para trabalhar em Auschwitz em 1942, aos 21 anos.

    Ele ficou conhecido 2005, quando deu entrevistas sobre suas funções no campo de concentração na tentativa de persuadir aqueles que não acreditam no Holocausto. Cerca de 6 milhões de judeus foram assassinados durante o período.

    Mais:

    Deputado dos EUA é criticado após gravar vídeo na câmara de gás de Auschwitz (VÍDEO)
    Auschwitz homenageia Dia da Memória do Holocausto (VÍDEO)
    Justiça alemã confirma condenação de Oskar Gröning, o "contador de Auschwitz"
    Dois portugueses detidos em Auschwitz
    Ex-guarda de Auschwitz condenado à prisão aos 94 anos
    Lista de prisioneiros de Auschwitz é encontrada em biblioteca escolar
    Tags:
    Adolf Hitler, Alemanha, Auschwitz
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik