21:55 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Tanque ucraniano T-64 durante a Parada militar em homenagem do Dia da Independência da Ucrânia (foto de arquivo)

    Armas enviadas à Ucrânia por EUA e Canadá podem acabar nas mãos de terroristas, diz Moscou

    © Sputnik / Assessoria de imprensa do presidente da Ucrânia
    Europa
    URL curta
    1235

    As armas letais norte-americanas e canadenses destinadas à Ucrânia podem acabar nas mãos erradas por causa de um alto nível de corrupção no país, disse um alto diplomata russo.

    Primeiro o Canadá, e depois os EUA anunciaram que decidiram fornecer armas letais para a Ucrânia, supostamente para autodefesa. Mas esses países devem considerar os riscos associados à transferência de armas avançadas para um país infame por seu alto nível de corrupção, disse o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Grigory Karasin, à Sputnik.

    "Será que Washington e Ottawa têm certeza de que suas armas não acabarão nas 'mãos erradas'? Por exemplo, nas mãos de terroristas? Ou vendidas por negociantes ucranianos tortuosos para o Oriente Médio ou alguma outra região que os EUA consideram sensível para seus interesses?", observou.

    "Nós fazemos essas perguntas aos nossos parceiros do outro lado do oceano: solicite-os para reexaminar os riscos associados a movimentos tão precipitados", emendou Karasin.

    Os EUA e o Canadá anteriormente autorizaram entregas de armas letais para a Ucrânia para aumentar suas capacidades defensivas. As Forças Armadas do país estão atualmente envolvidas em um impasse com repúblicas autoproclamadas no leste, que rejeitaram o golpe armado 2014 em Kiev.

    As hostilidades diminuíram significativamente desde o seu pico no início de 2015, graças a um acordo de paz negociado com a ajuda da Rússia, Alemanha e França.

    A Rússia criticou a decisão americana e canadense, dizendo que Kiev pode ser tentado a escalar o conflito para distrair o público ucraniano de suas contínuas dificuldades econômicas sob as novas autoridades.

    "Os EUA e o Canadá estão abrindo uma caixa de Pandora e, de fato, se tornando envolvidos no conflito interno ucraniano, levando-o a um nível internacional", disse Karasin na entrevista. "Já existem instrutores militares da América, do Canadá e de outros países da OTAN. Muitos ucranianos agora os consideram combatentes na guerra civil no leste".

    Os EUA não são estranhos às facções de armamento em nações estrangeiras, embora a eficácia da tática seja questionável. O último exemplo é a Síria, onde Washington forneceu várias formas de apoio a grupos armados que procuram derrubar o governo em Damasco. Isso incluiu o fornecimento de armas avançadas, compradas em países vizinhos como a Bulgária e a Romênia.

    Muitas dessas armas acabaram nas mãos do grupo islâmico do grupo jihadista Daesh, de acordo com um relatório do grupo de rastreamento de armas CAR publicado este mês.

    Mais:

    Ministro alemão: Turquia e Ucrânia não se juntarão à União Europeia no futuro próximo
    Vice-chanceler russo: 'EUA cruzaram todos os limites ao vender armas letais à Ucrânia'
    Analista: EUA apenas criam aparência de não quererem empurrar Ucrânia para o conflito
    Tags:
    conflito ucraniano, crise ucraniana, armamentos, terrorismo, Daesh, OTAN, Grigory Karasin, Estados Unidos, Canadá, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar