15:18 14 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O ministro da Economia alemão Sigmar Gabriel fala no Fórum Econômico Mundial

    Ministro alemão: Turquia e Ucrânia não se juntarão à União Europeia no futuro próximo

    © REUTERS / Ruben Sprich
    Europa
    URL curta
    0 53
    Nos siga no

    O ministro alemão de Relações Exteriores, Sigmar Gabriel, disse que não vê nem a Turquia nem a Ucrânia se juntarem ao bloco europeu de 28 membros em breve. Em vez disso, Gabriel prevê outras formas de cooperação, inspirada no que ele chamou de um acordo "inteligente" do Brexit.

    Falando à imprensa alemã nesta terça-feira, Gabriel, disse que não pode imaginar a Turquia e a Ucrânia como membros da União Europeia (UE) nos próximos anos. O bloco pode, em vez disso, optar por inventar outras formas de cooperação, incluindo as que se baseiam nas relações pós-Brexit da UE com a Grã-Bretanha.

    "Se podemos chegar a um acordo inteligente com a Grã-Bretanha que descreva suas relações com a Europa após o Brexit, então isso poderia servir de modelo para outros países", disse Gabriel em referência a Ancara e Kiev, citado pelo jornal alemão Frankfurter Allgemeine.

    O ministro não elaborou muito sobre a Ucrânia, concentrando-se na Turquia, que está em desacordo com a Alemanha, a potência da UE, no ano passado.

    "Existe a oportunidade de se esforçar para uma nova e mais estreita forma de união aduaneira com Ancara", explicou, acrescentando que essa opção não é viável a menos que "a situação na Turquia mude".

    Tensões

    As tensões entre Berlim e Ancara foram recentemente impulsionadas por uma onda de detenções de cidadãos alemães-turcos, incluindo o correspondente de Die Welt, Deniz Yücel, e vários ativistas dos direitos humanos. Isso culminou no presidente turco, Recep Tayip Erdogan, acusando a Alemanha de "práticas nazistas" sobre manifestações banidas nas cidades alemãs.

    Em julho, Gabriel, ele mesmo um social-democrata proeminente, prometeu uma reviravolta na política de Berlim em relação a Ancara.

    "Precisamos que nossas políticas para que a Turquia entrem em uma nova direção. Não podemos continuar como fizemos até agora", disse o principal diplomata da Alemanha na época. "Precisamos ser mais claros do que até agora, para que os responsáveis em Ancara entendam que tais políticas não acontecem sem consequências".

    No entanto, as relações entre Ancara e Berlim agora parecem estar se recuperando. A Turquia está disposta a construir melhores laços com a Europa, observou Gabriel na terça-feira, acrescentando que a vontade é mútua. Os turcos "sabem o quão importante é o destino para nós", disse ele.

    Questão ucraniana

    As perspectivas de adesão à UE também atormentaram a política ucraniana por vários anos, liderando o país — que prosseguiu a igualdade de integração com a UE e a Rússia sob o ex-presidente Viktor Yanukovich — no caminho do caos. Em 2014, o golpe Euromaidan retirou Yanukovich do poder, instalando o governo de Pyotr Poroshenko — que proclamou unir-se à UE como uma das prioridades da política externa de Kiev.

    Em setembro de 2014, entrou em vigor a parte política do Acordo de Associação UE-Ucrânia, e a parte econômica tem ocorrido desde janeiro de 2016. Em abril deste ano, o Parlamento Europeu votou a favor da concessão de entrada gratuita para os ucranianos na UE.

    Enquanto isso, Bruxelas tem cuidado com as perspectivas de adesão promissoras para Kiev. No ano passado, o primeiro-ministro da Holanda, um país que se opõe fortemente à adesão da Ucrânia à UE, disse que seu governo está contra a mudança porque "acreditamos que a Ucrânia deve ter bons relacionamentos com a Europa e a Rússia".

    Mais tarde, o diplomata francês Pierre Vimont, que ajudou a negociar o Acordo de Associação Ucrânia-UE, disse à publicação holandesa Volkskraant que a Alemanha, a França, a Áustria, a Bélgica e os Países Baixos rejeitaram a ideia da participação potencial da Ucrânia na UE durante 2008 e 2012.

    Há também algumas declarações públicas dos principais funcionários da UE sugerindo que o sonho da Ucrânia não se tornará realidade em breve.

    "Alguns dias atrás vi que meu amigo Poroshenko disse que a Ucrânia é a União Europeia, e é a OTAN", disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, no início de agosto. "No momento, não é nem um nem o outro, e acho que precisamos ter isso em mente".

    Mais:

    União Europeia prolonga sanções contra a Rússia por mais 6 meses
    Em Praga, Marine Le Pen volta a defender a dissolução da União Europeia
    Quase 80% da população da Turquia apoia adesão do país à União Europeia
    Tags:
    política, aliança, diplomacia, Brexit, União Europeia, Jean-Claude Juncker, Deniz Yücel, Sigmar Gabriel, Reino Unido, Ucrânia, Turquia, Alemanha, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar