11:30 22 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    3121
    Nos siga no

    A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) está preocupada com a suposta ameaça colocada pela Rússia às redes de comunicação submarinas dos países que fazem parte dessa aliança, informa o jornal britânico Financial Times.

    O comandante das forças submarinas da OTAN, Andrew Lennon, denunciou que a atividade dos submersíveis russos perto da rede de cabos interoceânicos de telecomunicações aumentou consideravelmente nos últimos anos, até chegar ao ponto mais alto desde a Guerra Fria.

    "Acreditamos que [submarinos russos] podem ser equipados com sistemas capazes de manipular objetos no fundo do oceano, o que é preocupante porque nossas nações dependem muito da Internet e das comunicações", disse Lennon.

    Embora considere que a Rússia está "claramente interessada na infraestrutura submarina dos países da OTAN" e, em particular, nos canais de comunicação entre os EUA e a Europa, este almirante americano não afirmou que Moscou fez qualquer interferência nessas redes.

    "Campanha de desinformação"

    No entanto, essa publicação destaca que esta retórica sobre a suposta ameaça russa é parte da "campanha de desinformação" da OTAN, a fim de obter apoio popular para aumentar os gastos militares.

    Na semana passada, o chefe das Forças Armadas do Reino Unido, Stuart Peach, declarou que as nações da aliança poderiam sofrer danos "catastróficos" se a Rússia atacasse a infraestrutura de telecomunicações submarinas.

    "Essas declarações seguem o fio das horríveis histórias anti-russas, criadas para justificar a política agressiva da OTAN e o aumento do orçamento militar da aliança, [uma vez que] Peach deve saber perfeitamente que as comunicações entre os EUA e os países europeus dessa organização são feitos através de canais fechados por satélite, enquanto os produzidos por rotas submarinas são secundários", disse Igor Korotchenko, especialista em questões militares.

    O perigo real não vem da Rússia

    Por sua parte, o embaixador da Rússia na OTAN, Alexander Grushko, acusou o bloco transatlântico de forçar uma corrida armamentista.

    "Esta não é a nossa escolha [de Moscou.] Estamos convencidos de que a verdadeira segurança da Europa só pode ser alcançada através de cooperação entre todas as partes”, pontuou.

    No entanto, as redes de comunicações submarinas foram alvo das agências de inteligência britânicas. O jornal britânico The Guardian descobriu um escândalo de espionagem, que revelou que a sede das comunicações do governo do Reino Unido (GCHQ, por sua sigla em inglês) explorou por anos a rede de cabos de fibra óptica que liga os cinco continentes para extrair todos tipo de comunicação.

    Mais:

    Marechal britânico: Rússia pode deixar OTAN sem Internet
    Muitas promessas, nenhum cumprimento: como OTAN mentiu para URSS
    Diplomata: Rússia está disposta a dialogar com OTAN caso esta deixe suas ambições de lado
    Tags:
    Telecomunicações, guerra, Internet, cabos submarinos, submarino, OTAN, Alexander Grushko, Stuart Peach, Andrew Lennon, Estados Unidos, Europa, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar