18:01 15 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O maior navio da Marinha do Reino Unido, o porta-aviões Queen Elizabeth

    Opinião: Marinha britânica enfrenta 2 grandes problemas

    © AP Photo / Andrew Milligan
    Europa
    URL curta
    581
    Nos siga no

    O ex-comandante da Frota britânica, Alan West, afirmou que a defesa de seu país está arruinada. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar, Vladimir Kozin, falou sobre os porquês da situação precária.

    Pela primeira vez na história contemporânea, a frota britânica está sem embarcações militares capazes de proteger o país, comunicou a edição The Mirror.

    Segundo a edição, todos os 6 torpedeiros do país agora estão estacionados no porto de Portsmouth, ao mesmo tempo 12 das 13 fragatas do Tipo-23 estão ancoradas na área de Devonport, entretanto só um navio deste tipo pode ser usado e está pronto para acompanhar a frota que protege as águas do Reino Unido.

    Alan West acredita que a Marinha do país esteja "à beira" do colapso devido a seu "tamanho drasticamente pequeno".

    "A defesa está se arruinando", afirmou ele, qualificando a política das autoridades britânicas no que se refere à defesa naval como "devastadora". Como resultado, devido ao financiamento inadequado, os marinheiros não contam com treinamentos necessários e os navios carecem de peças de reserva.

    "Perderemos o oceano sem precedentes", avisou West. 

    Destroier russo Vitse-Admiral Kulakov
    © Foto / Serviço de Imprensa da Frota do Norte
    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista em ciências políticas, Vladimir Kozin, opinou que a Marinha do Reino Unido possui dois grandes problemas. 

    "Existem dois problemas: financiamento e equipamento militar; pois se navios saem ao mar já com vazamentos, então isso significa alguma coisa. Gostaria de assinalar que tradicionalmente os britânicos gastaram muitos recursos com suas Forças Armadas, incluindo para reforçar sua Marinha, talvez se recordando de o 'Reino Unido ser o dono dos mares', precisando, assim, manter sua presença em todos os lugares. Sendo assim, faltam recursos para manutenção da frota, já que o Reino Unido não precisa dela. Do mesmo jeito, não precisa de forças nucleares e de mísseis de submarinos nucleares da classe Vanguard que alegadamente fazem parte do sistema nuclear e de mísseis ocidental", contou Vladimir Kozin.

    De acordo com ele, o Reino Unido não teria como pagar pela manutenção de suas Forças Armadas para prontidão de combate.

    "Os países da OTAN, inclusive o Reino Unido, devem aumentar seus recursos destinados ao orçamento da Aliança. Além disso, os britânicos possuem bases navais e aéreas em vários países. O Reino Unido fez parte do programa global do sistema antiaéreo estadunidense, fornece equipamento de radar, aluga base militar Fylingdales […] Tudo isso exige enormes recursos. Além disso, o país participa de vários conflitos regionais", acrescentou.

    "Em minha opinião, caso as autoridades britânicas não reduzam verba militar – na OTAN e na manutenção de quatro submarinos nucleares com mísseis – os problemas financeiros de manutenção técnica vão surgir constantemente", concluiu Vladimir Kozin. 

    Mais:

    Marinha dos EUA não tem resposta convincente a mísseis de Pyongyang
    Marinha dos EUA lança seu segundo destróier do futuro (VÍDEO)
    Marinha da Rússia testará capacidades do seu novo submarino estratégico Knyaz Vladimir
    Tags:
    navios, problemas, Marinha, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar