20:25 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Manifestantes durante protesto organizado por apoiantes do grupo radical islamista Hizb ut-Tahrir na Tunísia (foto de arquivo)

    Por que Ucrânia se tornou abrigo para islamistas?

    © AFP 2018 / FETHI BELAID
    Europa
    URL curta
    714

    Tradicionalmente, o foco de radicalismo islâmico nos territórios da antiga URSS é a região soviética da Ásia Central, em particular Quirguistão, Tajiquistão e Uzbequistão. No entanto, nos últimos anos, extremistas encontraram abrigo em um lugar muito inesperado – na Ucrânia. Um correspondente da Sputnik explica as razões para este processo.

    Uma das organizações extremistas mais ativas no território pós-soviético é Hizb ut-Tahrir (Partido de Libertação, em português), proibida na Rússia, Alemanha, Turquia e Cazaquistão.

    O grupo foi criado em 1953 em Jerusalém Oriental e supostamente segue uma doutrina pacífica. No entanto, na verdade, a organização prepara clandestinamente agentes extremistas, que já não quer se limitar apenas a sermões, escreve o correspondente Filipp Prokudin.

    Hizb ut-Tahrir é proibida na Rússia desde 2003, mas, até hoje, forças especiais encontram novas células da organização. Além da Ásia Central soviética, o grupo opera ativamente na Ucrânia, onde suas atividades não são proibidas.

    Antes, extremistas se sentiam à vontade na Crimeia. Porém, após a reunificação da última com a Rússia, muitos islamistas se transferiram para o território ucraniano, controlado por Kiev, explica o autor do artigo. Autoridades e mídia ucranianas, por sua vez, mostram o combate da Rússia a Hizb ut-Tahrir como "perseguição de muçulmanos".

    Além dos territórios fronteiriços com a Rússia, extremistas chegaram a Kiev e até mesmo a regiões ocidentais da Ucrânia, provocando indignação de nacionalistas ucranianos.

    "Hizb ut-Tahrir está se sentindo bastante à vontade. […] É uma bomba-relógio. Podemos claramente ignorá-la, mas, de todas as formas, ela vai detonar", advertiu um dos fundadores do batalhão voluntário Azov, Oleg Odnorozhenko.

    Odnorozhenko teme que Kiev e seus curadores estrangeiros possam apostar em mais disciplinados e previsíveis extremistas, ao contrário de nacionalistas ucranianos, diz o autor.

    Segundo dados do Ministério do Interior russo, desde a reunificação da Crimeia à Rússia, o número de seguidores de Hizb ut-Tahrir diminuiu de 10 mil para 2,5 mil pessoas.

    Na opinião do parlamentar russo Ruslan Balbek, hoje em dia, a Ucrânia se tornou um "hub" (centro de conexões) para extremistas. Além de Hizb ut-Tahrir, no território ucraniano opera a organização muçulmana Alraid, "a mesma coisa que a Irmandade Muçulmana, que realizaram golpes de Estado no Oriente Médio", acredita o parlamentar, e o movimento religioso Nurculuk, ligado ao golpe na Turquia.

    Mais:

    Chanceler polonês: Ucrânia é incapaz de ganhar uma guerra contra Rússia
    Rússia: EUA e Canadá podem começar uma guerra na Ucrânia
    Tags:
    islamismo, extremistas islâmicos, Hizb ut-Tahrir, Azov, Quirguistão, Ásia Central, Rússia, Ucrânia, URSS, União Soviética
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik