13:10 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Soldado alemão na base aérea da Bundeswehr em Renania-Palatinado

    Soldado planejava matar autoridades alemãs e colocar a culpa em muçulmanos

    © AP Photo / Matthias Schrader
    Europa
    URL curta
    132

    Um soldado alemão "nacionalista de direita" recebeu novas acusações de conspiração em razão de um plano para realizar ataques falsos que resultariam em retribuição contra imigrantes, depois que um caso anterior contra ele foi descartado fora do tribunal.

    Procuradores federais acusaram o ex-tenente Franco Hans A. de 28 anos, que foi preso em abril, e dois de seus cúmplices com o planejamento de um ato de violência e violações de leis de armas e explosivos.

    "Motivado por uma atitude nacionalista, ele planejava realizar um ataque em um momento desconhecido contra políticos de alto escalão e figuras públicas que defenderam o que o acusado considerava uma política especialmente favorável aos refugiados", afirmou a declaração do promotor.

    "Ele queria que as pessoas acreditassem que seus ataques estavam relacionados ao terrorismo islâmico radical cometido por alguém que tinha sido concedido asilo", continuou.

    Entre os alvos estavam o ministro alemão da Justiça, Heiko Maas, a política ambientalista Claudia Roth e o ex-presidente Joachim Gauck.

    Em seu arsenal havia quatro armas de fogo, incluindo um rifle de assalto, mais de 1.000 rodadas de munição e 50 dispositivos explosivos, alguns dos quais parecem ter sido retirados do armazenamento militar. A parte mais bizarra do plano incluiu Franco Hans assumindo a identidade de um refugiado sem documentos e morando em um albergue em benefícios por vários meses, apesar de não falar línguas estrangeiras, ao receber benefícios estaduais.

    Acusações anteriores — mais severas — de planejar um ataque terrorista, contra ele e outros dois soldados, foram descartadas por um tribunal superior em novembro devido à falta de provas suficientes.

    Preocupação

    Uma investigação abrangente sobre 275 casos de simpatizantes de extrema direita no Exército alemão foi lançada pelo Ministério da Defesa alemão na primavera de 2017. Os suspeitos de neonazistas teriam deixado comentários racistas on-line, fizeram saudações nazistas bem como abusadas verbalmente colegas de origem migrante.

    Como resultado da sondagem, foram descobertos inúmeros episódios contendo relíquias da era nazista, incluindo cartazes e munições, em quartéis do exército, o que fez com que a ministra alemã de Defesa Ursula von der Leyen determinasse reformas visando facilitar a denúncia de incidentes e o fortalecimento da educação política das tropas.

    O sentimento de direita vem aumentando à medida que a Alemanha luta com um fluxo de refugiados e migrantes provocados pela chamada política de "porta aberta" defendida pela chanceler alemã Angela Merkel. A reação custou ao governo de Merkel um pedaço significativo de sua popularidade e propiciou o partido da direita conservadora Alternativa para a Alemanha (AfD) ganhasse cadeiras no Parlamento federal da Alemanha pela primeira vez nas eleições de setembro.

    Depois que o caso de Franco A. surgiu, a Alemanha disse que analisaria 2.000 pedidos de asilo ligados ao caso e até 100.000 decisões de concessão de asilo no total. A Alemanha está lutando para processar todos os pedidos de status de refugiado de dezenas de milhares de requerentes de asilo, depois de ter deixado cerca de um milhão de pessoas em 2015 sozinhas. Desde então, o governo alemão reforçou a sua política de asilo, limitando o número de chegadas em 200.000 para 2018.

    Mais:

    Enterrada há décadas, suástica gigante é encontrada em reforma de estádio na Alemanha
    Há 75 anos, começou batalha histórica que predestinou derrota da Alemanha nazista
    Sem armas atômicas próprias, Alemanha quer ver ogivas dos EUA fora do país
    Tags:
    política de imigração, imigrantes, islâmicos, muçulmanos, assassinato, terrorismo, atentado, Exército da Alemanha, AfD, Ursula von der Leyen, Franco Hans A, Claudia Roth, Heiko Maas, Joachim Gauck, Angela Merkel, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar