16:56 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Beatrice Fihn, Executive Director of the International Campaign to Abolish Nuclear Weapons (ICAN), attends a news conference after ICAN won the Nobel Peace Prize 2017, in Geneva, Switzerland October 6, 2017.

    Bombas nucleares tornam um desastre inevitável, dizem vencedores do Nobel da Paz

    © REUTERS / Denis Balibouse
    Europa
    URL curta
    541
    Nos siga no

    Enquanto houver bombas atômicas, um desastre no mundo é inevitável, disse neste sábado a diretora da Coalizão Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN), uma entidade que ganhou o Prêmio Nobel da Paz deste ano.

    "Estamos enfrentando uma escolha clara neste momento: o fim das armas nucleares ou nosso próprio fim", disse Beatrice Fihn em uma conferência de imprensa no Comitê do Prêmio Nobel da Noruega.

    "Uma birra impulsiva, uma escalada militar calculada, um terrorista, um ataque cibernético ou um acidente completamente: veremos o uso de armas nucleares a menos que sejam eliminadas", advertiu Fihn.

    "Essas armas não nos tornam seguros, não são dissuasivas, apenas incitam outros Estados a perseguirem suas próprias armas nucleares, e se você se sentir desconfortável com Kim Jong-un com armas nucleares, então você não se sentirá confortável com armas nucleares. Se eles não estiverem certos de que Donald Trump tem armas nucleares, não se sentirão confortáveis com as armas nucleares", continuou a diretora.

    A ICAN, que agrupa mais de 450 organizações, foi uma força motriz por trás de um tratado internacional que proíbe armas nucleares que foi aprovado neste ano. Até agora, 53 países assinaram, mas apenas três o ratificaram. O tratado precisa ser ratificado por 50 governos para entrar em vigor.

    Nenhuma potência nuclear assinou o tratado. Três grandes nações nucleares — Estados Unidos, Grã-Bretanha e França — disseram que não enviarão seus embaixadores à cerimônia do Prêmio Nobel, neste domingo, na capital norueguesa.

    Satsuko Thurlow, um sobrevivente do bombardeio atômico de Hiroshima, que aceitará o prêmio junto com Fihn, disse que não estava "muito surpresa" pelo desprezo diplomático.

    "Não é a primeira vez que eles se comportam dessa maneira. Eles tentaram de muitas maneiras diferentes de sabotar ou desacreditar o que estamos tentando fazer", acrescentou. "Talvez isso indique que eles estão chateados com o sucesso que tivemos até agora".

    A ICAN colocou 1.000 pássaros de papel vermelho no sábado em frente do Parlamento norueguês. As aves foram feitas por crianças em Hiroshima, onde o primeiro ataque de bomba nuclear do mundo ocorreu em 1945, por ordem dos EUA.

    Mais:

    Vencedora do prêmio Nobel da Paz chama Trump de 'idiota'
    Eleição de Trump dá 'destaque' ao risco nuclear, dizem vencedores do Nobel da Paz
    23 ganhadores do Prêmio Nobel pedem em carta a Temer o fim dos cortes na ciência
    Tags:
    arsenal nuclear, Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, ameaça nuclear, armas nucleares, segurança, Coalizão Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN), Beatrice Fihn, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Noruega, Europa, Reino Unido, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar