11:43 05 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O Secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg

    Todos os países da OTAN estão sob ameaça dos mísseis norte-coreanos?

    © AFP 2019 / ADEM ALTAN
    Europa
    URL curta
    1217
    Nos siga no

    Os últimos testes de mísseis da Coreia do Norte mostraram que todos os aliados dos EUA estão na zona de seu alcance.

    "Os últimos testes de mísseis mostram que todos os Estados da OTAN estão em seu alcance", declarou o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg.

    Neste contexto, Stoltenberg sublinhou que é vital pressionar o máximo possível a Coreia do Norte para resolver o problema na península da Coreia por meios diplomáticos.

    "Uma guerra nessa região seria uma catástrofe", destacou.

    Na noite de 28 para 29 de novembro, a Coreia do Norte lançou o míssil Hwasong-15, que percorreu uma distância de 950 quilômetros e caiu a 210 quilômetros do litoral do Japão.

    Pyongyang afirmou que, a partir de agora, já possui um meio capaz de lançar uma carga nuclear em qualquer ponto dos EUA. Muitos países, incluindo a Rússia, condenaram as ações da Coreia do Norte.

    Neste contexto o presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou que Washington aplicará novas restrições a Pyongyang em resposta a mais um teste de míssil. Os EUA também apelaram ao bloqueio da Coreia do Norte.

    Mais:

    EUA estão perdendo o controle da Europa: será que OTAN vai colapsar?
    Manobras dos EUA e Coreia do Sul comprovam término do 'período de silêncio'?
    Coreia do Sul cria unidade para eliminar líderes da Coreia do Norte
    EUA e Coreia do Sul realizam exercícios aéreos conjuntos em meio à crise com Pyongyang
    Ásia teme que a Coreia do Norte cumpra ameaça de teste nuclear mais poderoso e perigoso
    Coreia do Norte quer ser reconhecida como 'potência nuclear' para negociar com os EUA
    Tags:
    crise coreana, testes de mísseis, alcance, aliados, ameaça, guerra, OTAN, Jens Stoltenberg, Coreia do Norte, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar