10:09 16 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Soldada norueguesa em cima do veículo de combate CV90

    Noruega teme que mulheres prejudiquem habilidades de combate do seu exército

    © AFP 2019 / Kyrre Lien
    Europa
    URL curta
    635

    Em meio ao crescimento do número de mulheres nas Forças Armadas da Noruega como resultado da campanha pela igualdade de gênero, surgem preocupações no que diz respeito à eficiência do país escandinavo na hora de combater.

    Noruega foi o primeiro país europeu a introduzir recrutamento universal em nome da igualdade de sexos, mas a medida até hoje provoca reações diferentes. Segundo o tenente-coronel norueguês Harald Hoiback, habilidade de combate do país está diminuindo.

    Apesar de ser a favor do recrutamento de mulheres no exército, ele acredita que, em geral, homens são mais fortes e rápidos, pois atividades militares exigem muita força e resistência. Por isso, historicamente falando, poucas mulheres são militares.

    "Você pode enfrentar situações de mulheres não tão fortes o suficiente para tirar seu colega militar de um tanque em chamas, levá-lo para o convés de uma fragata ou algo parecido", disse à emissora NRK.

    Não é de surpreender que as afirmações de Hoiback tenham sido imediatamente criticadas.

    Assim, a especialista do Instituto de Pesquisas de Defesa, Nina Rones, afirmou que argumentos de Hoiback se baseiam em mitos.

    "Nem tudo depende da forma física. Também não é verdade que homens têm vantagens perante as mulheres em todos os parâmetros do corpo. Quanto à chamada ‘ultrarresistência', há muitos estudos que provam que as mulheres ultrapassam os homens", disse Rones, acrescentando que mulheres são boas também ou até melhores em atirar se comparadas a homens.

    Ela acredita que no combate é importante entender a situação, saber se orientar, trabalhar em equipe e saber usar armas, acrescentando que as mulheres não perdem para os homens em todos esses quesitos.

    Há décadas, mulheres norueguesas podem se voluntariar ao serviço militar. Em 2016, foi introduzido o recrutamento universal e as mulheres totalizaram 25% dos 8.000 jovens recrutados naquele ano. Atualmente, a porcentagem de mulheres no exército atinge 17%, mas não para de crescer. Quatro dos últimos seis ministros da Defesa no país foram mulheres.

    Mais:

    Sempre com azar: Noruega recebe caças F-35, mas surge novo problema
    Fundo de investimentos da Noruega não vai mais colocar dinheiro em combustíveis fósseis
    Processo histórico para frear exploração de petróleo começa na Noruega
    Tags:
    igualdade de gênero, recrutamento, exército, Europa, Noruega
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar