02:12 24 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Refugiados em centro de recepção para imigrantes em Roszke, na Hungria, em 4 de setembro de 2015

    Segunda onda de refugiados pode varrer a Europa em breve, diz diretor da ONU

    © REUTERS / Stringer
    Europa
    URL curta
    1665

    A Europa pode enfrentar uma segunda onda de migração, já que a situação em campos de refugiados na África e Oriente Médio está piorando, afirmou o chefe do Programa Mundial de Alimentos da ONU. Ele acrescentou que existe uma ligação clara entre fome e migração.

    As condições de vida, principalmente a distribuição de alimentos, em campos de refugiados em regiões afetadas por crises, se deterioraram dramaticamente antes da crise dos migrantes europeus em 2015, disse David Beasley, diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos (PAM), ao jornal alemão Die Zeit.

    "Nós pagamos um preço pesado por esse erro e tenho medo de que possamos fazer isso novamente", acredita Beasley. De acordo com o chefe de alimentos da ONU, enquanto muitos requerentes de asilo queriam permanecer na sua região natal, a falta de comida os expulsou. "Se eles não tiverem comida suficiente, eles vão sair. E muitos deles iriam para a Europa", disse Beasley.

    Embora a ONU esteja aparentemente fazendo progressos na luta contra a fome no mundo nos últimos 10 anos, o número de pessoas que sofrem com a fome em todo o mundo aumentou dramaticamente de novo, disse Beasley, acrescentando que a crise alimentar é causada principalmente por guerras e mudanças climáticas.

    O Iêmen está ameaçado pela fome porque a Arábia Saudita está bloqueando os portos do país, impedindo as entregas de ajuda, comentou Beasley, exortando os países do Golfo a não se afastarem, mas se juntam ao programa de ajuda alimentar para as regiões atingidas pela crise.

    Um relatório do PAM de março deste ano diz que cerca de 108 milhões de pessoas em todo o mundo enfrentaram "insegurança alimentar de crise ou pior", um aumento dramático a partir de 2015 quando o valor era de 80 milhões. O documento diz que as principais crises alimentares foram alimentadas por "conflitos, altos preços dos alimentos e padrões climáticos anormais".

    O número de requerentes de asilo na União Europeia (UE) durante o segundo trimestre de 2017 atingiu 149.000, de acordo com dados estatísticos do Eurostat. As aplicações vieram principalmente da Síria, Nigéria e Afeganistão. A Alemanha, a Itália, a França, a Grécia e o Reino Unido representam quase 80% de todos os candidatos que tentam chegar pela primeira vez à Europa, mostram os dados.

    Mais:

    Japão já planeja como lidar com os possíveis refugiados norte-coreanos em caso de conflito
    Acnur: 'Abrigos em Roraima vão melhorar condições de vida dos refugiados venezuelanos'
    UE libera verba adicional de quase 10 milhões de euros para refugiados
    Tags:
    pobreza, fome, imigração, crise de imigrantes, migração, crise migratória, refugiados, União Europeia, ONU, David Beasley, Arábia Saudita, Oriente Médio, África, Iêmen, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar