23:18 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Tanques paquistaneses Al-Khalid durante uma parada militar em Islamabad, em 23 de março de 2017

    Como se estraga um tanque? Pergunte aos ucranianos

    © REUTERS / Faisal Mahmood
    Europa
    URL curta
    7164

    30 veículos blindados do exército paquistanês foram retirados de serviço depois de usarem um óleo de motor fabricado na Ucrânia, informa um portal on-line.

    De acordo com os resultados de uma investigação realizada pelo Golos.UA, funcionários da empresa de exportação Ukrspetsexport adquiriram óleo de motor de baixa qualidade a preços inflados, que depois forneceram para seus clientes estrangeiros.

    Em 2016, a fábrica Malyshev, localizada na cidade ucraniana de Kharkov, forneceu ao Ministério da Defesa do Paquistão 30 unidades de motores para veículos blindados Al-Khalid. No entanto, os blindados paquistaneses começaram a falhar um após outro.

    Ao examinar os motores dos veículos, os especialistas chegaram à conclusão de que o principal motivo das falhas foi a utilização do óleo de motor Azmol Garant, de qualidade muito baixa.

    No entanto, o próprio fabricante do óleo afirmou não ter fornecido este lubrificante ao Paquistão. Mais tarde, descobriu-se que a empresa Ukrspetsexport recorreu a um intermediário que não possuía licença para vender o produto aos paquistaneses.

    Além disso, adquiriu-o oficialmente por cerca de US$ 6.000 (cerca de R$ 20 mil) por tonelada, enquanto seu preço de mercado é de US$ 3.000 (cerca de R$ 10 mil).
    A diferença entre o custo real e o custo oficial acabou nas contas bancárias dos funcionários da Ukrspetsexport em paraísos fiscais, conclui a mídia.

    Mais:

    Ucrânia vai receber US$ 350 milhões dos EUA para armas e apoio contra 'ameaça russa'
    Ucrânia será capaz de construir mísseis antiaéreos iguais aos russos?
    Doenças e álcool: eis o que está corroendo o exército da Ucrânia
    Tags:
    lavagem de dinheiro, motor, tanque, Paquistão, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik