09:40 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    German and Chinese national flags are attached to a lamp post on Tiananmen Square (File)

    China está negando vistos a alemães com 'nomes que soam turcos'

    © AP Photo / Ng Han Guan
    Europa
    URL curta
    4110
    Nos siga no

    As autoridades de imigração chinesas estão negando os vistos dos alemães para visitar a China, porque eles têm nomes que soam turco. A Associação das Câmaras Alemãs de Indústria e Comércio suspeita que o apoio da Turquia aos uigures na China está relacionado à negativa.

    A Associação das Câmaras Alemãs de Indústria e Comércio (DIHK) tem indicações de que "o consulado chinês não está emitindo vistos para empresários alemães com nomes turcos", disse o chefe do comércio exterior da organização, Volker Treier, à revista alemã de negócios Wirtschaftswoche na sexta-feira.

    Treier advertiu que a questão poderia afetar as relações comerciais entre a China e a Alemanha. Em 2016, o volume de negócios entre os dois países foi de € 169,9 bilhões (R$646 bilhões). Mais de 5.000 empresas alemãs estão presentes na China, em comparação com 900 empresas chinesas na Alemanha. As empresas alemãs têm cerca de € 70 bilhões (R$267 bilhões) em investimentos chineses e empregam cerca de um milhão de funcionários locais

    De acordo com a Wirtschaftswoche, o consulado chinês na Alemanha está rejeitando pedidos de vistos de empresários com nomes turcos e turistas que passaram longos períodos de tempo na Turquia.

    Uma razão é a política da Alemanha em relação às ondas de migrantes que chegaram na Alemanha desde o Oriente Médio desde 2015. O governo chinês acredita que a Alemanha não exerceu controle suficiente sobre suas fronteiras durante o ponto alto da crise dos migrantes em 2015 e "aparentemente teme que haja terroristas ou ativistas turcos entre os requerentes de vistos".

    De acordo com o relatório, a DIHK suspeita que o principal motivo para a dificuldade do visto seja "relações tensas entre a China e a Turquia" sobre os uigures, um grupo étnico turco muçulmano que vive predominantemente na Ásia Oriental e Central. A maioria dos uigures, mais de dez milhões, vive na província autônoma do Xinjiang, no oeste da China.

    A China acusou ativistas uigures de extremismo religioso e terrorismo e implementou uma repressão antiterrorista. A Turquia acusou Pequim de perseguir o grupo e ofereceu hospedagem a refugiados vindos da China.

    Apesar dessas diferenças, em agosto, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, e seu homólogo turco, Mevlut Cavusoglu, se reuniram para iniciar cooperação reforçada em segurança e as medidas antiterroristas. Em uma coletiva de imprensa conjunta, Wang disse que Cavusoglu garantiu que Ankara "não permitiria nenhuma atividade anti-China" no país.

    Tags:
    uigures, Associação das Câmaras Alemãs de Indústria e Comércio, Wirtschaftswoche, Mevlut Cavusoglu, Wang Yi, Oriente Médio, Xinjiang, Ásia Central, Ásia Oriental, Turquia, Alemanha, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar