12:58 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    As forças da OTAN na Letônia

    Embaixador russo: reforma da OTAN busca enfrentar a Rússia

    © REUTERS/ Ints Kalnins
    Europa
    URL curta
    421

    Os esforços da OTAN para reformar a estrutura de comando têm por objetivo conter a Rússia, declarou nesta sexta-feira (10) o representante permanente russo na OTAN, Akeksandr Grushko.

    "Embora as medidas para adaptar as capacidades militares da OTAN se expliquem pela necessidade de conter as ameaças de todas as frentes, não se pode ignorar que, supostamente, estes esforços buscam enfrentar a Rússia", disse ele aos jornalistas em Bruxelas.

    Adicionou que as consequências destes passos dependem da versão final das decisões que serão aprovadas na sessão dos ministros da Defesa dos países-membros da OTAN em fevereiro de 2018.

    "Claro que hoje é óbvio que, elaborando tais decisões e considerando as opções do aumento posterior da presença militar da aliança, incluindo o flanco oriental, a OTAN se inspirou com planos da guerra fria", destacou o embaixador russo na aliança.

    O enviado russo sublinhou que será difícil para Moscou voltar aos projetos conjuntos para o Afeganistão depois da organização os ter suspenso.

    Na quarta-feira (8) passada, os ministros da defesa da OTAN concordaram sobre o plano para uma estrutura de comando flexível do órgão que supõe criar duas unidades de comando, uma para o Atlântico a fim de garantir as vias de comunicação seguras e livres entre a Europa e América do Norte, e outra para melhorar o movimento das forças militares na Europa.

    Além disso, os ministros decidiram criar um centro de operações cibernéticas e integrar as capacidades cibernéticas nacionais nas operações da OTAN, preservando estes recursos de propriedade dos Estados-membros.

    Mais:

    Washington planeja destinar $ 4,6 bilhões para sua nova 'guerra fria' com Rússia
    Milhares de finlandeses aprendem a resistir à guerra híbrida em exercícios 'invisíveis'
    OTAN: Rússia e China têm papel especial na crise da Coreia do Norte
    Tags:
    forças, Guerra Fria, comando militar, reformas estruturais, OTAN, Aleksandr Grushko
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik