18:19 21 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Avião de transporte An-124-100 Ruslan na Parada da Vitória em Moscou, Rússia, 9 de maio de 2016

    Apesar das tensões políticas, Moscou e Kiev retomam negociações na esfera da aviação

    © Sputnik/ Anton Denisov
    Europa
    URL curta
    7181

    A empresa estatal ucraniana Antonov confirmou em um comunicado ter reiniciado as negociações com a companhia aérea russa Volga Dnepr, no que se trata do prolongamento da vida útil das aeronaves An-124-100 Ruslan.

    "Para cumprir as obrigações de coordenação interministerial com as respectivas agências ucranianas e de acordo com a carta esclarecedora do Serviço de Controle Público sobre as exportações ucranianas, os especialistas da Antonov realizarão o trabalho de avaliação do status técnico da aeronave An-124-100 da companhia aérea [russa] Volga Dnepr", diz-se no documento.

    A empresa enfatiza que a Volga Dnepr não faz parte da lista de empresas sancionadas pelo Conselho de Segurança e Defesa da Ucrânia.

    No comunicado afirma-se que este avião possui o certificado de aeronave civil e, portanto, só pode ser usado para fins comerciais e de transporte civil.

    "A empresa Antonov, como escritório de desenho de equipamentos aéreos, atua de acordo com a legislação vigente da Ucrânia e os regulamentos internacionais da aviação", adianta o comunicado.

    Enquanto isso, o primeiro vice-presidente do Comitê para os Transportes e Construção da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), Vitaly Efimov, disse que a retomada dessas negociações se realiza em troca da entrega dos documentos de extensão da vida útil das aeronaves Il-76 russas, dado que é necessário prorrogar seus certificados.

    Mais:

    Ucrânia é o novo objetivo dos Rothschild
    Qual é o plano do ex-presidente da Geórgia para 'salvar a Ucrânia'?
    Cientista político: Ucrânia emitiu 'certidão de óbito' à sua indústria de defesa
    Tags:
    sanções, aviação, An-124, Antonov, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik