06:17 08 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    121
    Nos siga no

    Pesquisadores da Universidade de Dundee, Escócia, reconstruíram a fisionomia de Lilias Adie, que viveu toda sua vida no povoado de Torryburn, morrendo em 1704. A mulher foi acusada de bruxaria bem como de ter praticado sexo com o diabo, comunica Metro.

    De acordo com a edição, com ajuda de tecnologias modernas, os pesquisadores reconstruíram a fisionomia da mulher através de fotos do crânio dela que estavam arquivadas. Os especialistas utilizaram os mesmos programas de computador que se aplicam em medicina legal.

    ​O jornal Metro comunica que a mulher foi uma das "bruxas" que conseguiu evitar ser queimada. Ela foi presa e torturada para confessar seus "crimes".

    Segundo versão de investigadores, Adie se suicidou na prisão, e, de acordo com tradições da época, foi enterrada perto da água, como os outros suicidas. 

    Mais:

    Vizinhos queimam casa de mulher acusada de bruxaria no Extremo Oriente Russo
    Idosa é queimada viva por bruxaria no Peru
    Tags:
    crânio, recuperação, Escócia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar