14:55 15 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    12312
    Nos siga no

    O comandante do batalhão Donbass, Vyacheslav Vlasenko, disse ao portal ucraniano Apostrof que os bombardeios na região terminarão até o fim deste ano.

    "Tive um sonho profético", acrescentou o comandante. Segundo ele, a Ucrânia conseguirá reestabelecer o controle sobre a Crimeia e Donbass, mas dentro de alguns anos.

    "Acredito que [a Ucrânia conseguirá recuperar] Donbass dentro de dez anos. A Crimeia – dentro de 25 anos. É a minha opinião. Aliás, eu raramente me engano", disse ele.

    Vlasenko sublinhou também que é necessário levar os moradores de Donbass e da Crimeia a uma tal situação em que eles acabem por realizar mais um referendo e peçam à Ucrânia para ficar de novo com eles.

    "É evidente que eles serão responsabilizados pelas suas ações, mas nessa altura poderemos analisar essa questão", declarou ele.

    Anteriormente, o comandante do quinto batalhão do movimento extremista Exército Voluntário Ucraniano, Vladislav Litvin, declarou que reestabelecer o controle sobre a Crimeia seria para a Ucrânia mais fácil do que retomar os territórios de Donbass. 

    O deputado do parlamento ucraniano Dmytry Yarosh, ex-líder do Setor de Direita (organização extremista proibida na Rússia), declarou que Kiev reestabelecerá em breve o controle sobre os territórios das autoproclamadas República Popular de Donetsk (RPD) e República Popular de Lugansk (RPL).

    A península da Crimeia foi incorporada à Rússia em março de 2014 após a realização de um referendo sobre a reunificação do território: 97% dos votantes apoiaram a causa. Segundo o presidente russo, Vladimir Putin, a questão da Crimeia "está definitivamente encerrada".

    Mais:

    Putin a Merkel: Rússia está preparada para expandir as funções da missão da ONU em Donbass
    Poroshenko: 'Ainda há um longo caminho para estabelecer a paz sustentável em Donbass'
    Tags:
    conflito armado, disputa territorial, Crimeia, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar