15:56 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Avião alemão Messerschmitt Me 163B Komet

    Mistério nazi: encontrado motor-foguete da Luftwaffe em castelo polonês (FOTOS)

    CC BY 2.0 / Greg Goebel / Ya163_1b
    Europa
    URL curta
    7481
    Nos siga no

    Ninguém sabe como e com que objetivo este propulsor foi escondido nessa fortificação medieval da Polônia.

    Um propulsor quase completo do avião interceptor nazi Messerschmitt Me 163 Komet da Força Aérea nazi (Luftwaffe) foi encontrado no castelo medieval de Czocha (Polônia), informa o canal TVN24.

    Um grupo de trabalhadores que reparava o teto dessa construção do século XIII realizou essa inédita descoberta. Além do propulsor, eles também encontraram peças de diferente material bélico, bem com os livros e álbuns de fotografias.

    ​Parece que as pessoas que esconderam esses objetos queriam preservá-los das tropas soviéticas durante a Segunda Guerra Mundial.

    "É lamentável que no esconderijo não houvesse documentos que esclareçam quem levou o propulsor para o sótão e para que o ocultou", declarou Jaroslaw Kuczynski, diretor do museu histórico localizado no castelo, onde o motor será exibido após os trabalhos de restauração.

    O Messerschmitt Me 163 Komet foi o primeiro avião-foguete que entrou em serviço da Força Aérea nazi em 1944. Naquele tempo, essa aeronave era capaz de alcançar a velocidade inédita de 1.130 km por hora, mais 400 km do que o avião moderno mais rápido.

    No entanto, sua velocidade revolucionária foi ao mesmo tempo seu triunfo e seu fracasso: era bastante rápido para evitar ataques, mas demasiado veloz para destruir aviões inimigos.

    Mais:

    Turista dos EUA é agredido por fazer saudação nazista na Alemanha
    Estônia realiza expedição alusiva a grupo de sabotagem nazista
    Saudação nazista publicada nas redes custou caro para funcionário do CNN
    Pacto com diabo? Governo uruguaio pode vender peça nazista para aumentar verba
    Tags:
    foguete, motor, avião, castelo, Polônia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar