11:55 18 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Marcha pela independência da Catalunha (foto de arquivo)

    Catalunha afirma que não cumprirá as ordens de Madri, só obedecerá à sua própria população

    © REUTERS/ Ivan Alvarado
    Europa
    URL curta
    169240

    As autoridades catalãs não seguirão as ordens de Madri, só vão ouvir o povo catalão, afirmou Raul Romeva, conselheiro das Relações Exteriores da Catalunha. O membro da Generalitat assegurou que não se pode confiar na democracia da União Europeia já que esta permite às autoridades espanholas aplicarem a força sobre a região.

    "Como a UE consegue viver com essa situação, se vier a acontecer"?— perguntou Romeva em entrevista à rádio BBC. "Como podemos ter confiança [na UE] se ela permite que isso aconteça? O que posso dizer é que as pessoas e as instituições da Catalunha não vão permitir que isso ocorra", assegurou ele, citado pela agência Reuters.

    O conselheiro insistiu que todas as instituições, incluindo a polícia, devem seguir as instruções do governo catalão eleito democraticamente. O porta-voz assinalou que ninguém além do povo catalão tem o direito de modificar as instituições catalãs. 

    Anteriormente, o governo central espanhol tomou a decisão de afastar as autoridades regionais catalãs do poder. 

    Em 21 de outubro, o presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, anunciou sua intenção de pedir ao Senado para cessar as competências do presidente, do vice-presidente e dos conselheiros da Generalitat da Catalunha, e de convocar eleições na região no prazo de 6 meses.

    A presidente do Parlamento da Catalunha, Carme Forcadell, classificou a decisão de Rajoy de "golpe de Estado".

    Mais:

    Puigdmemont acusa rei da Espanha de apoiar agressão contra os direitos da Catalunha
    Analista político: 'Constituição da Espanha se sobrepõe a autonomia da Catalunha'
    Espanha aplica artigo 155º da Constituição, anulando independência da Catalunha
    Tags:
    referendo, independência, Espanha, Catalunha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik