07:07 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Participantes na greve nas ruas da Catalunha ao apoiar o referendo para independência e secessão da Catalunha da Espanha

    Se a Catalunha se tornar independente, quem será o próximo na Europa?

    © Sputnik / Elena Shesternina
    Europa
    URL curta
    1148

    O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, advertiu na última sexta-feira que, se a Catalunha se tornasse independente da Espanha, outras regiões europeias buscariam fazer o mesmo.

    "Se a Catalunha se tornar [um Estado independente], outros farão o mesmo, não gosto disso", disse Juncker em uma palestra com estudantes da Universidade do Luxemburgo. "Não quero uma União Europeia que, em 15 anos, seria constituída por 90 países. Seria impossível", continuou.

    Além disso, o político indicou que a UE não pode agir como mediador nessa situação porque "mais caos" seria criado, e explicou que quando ele interveio como mediador foi algo feito "entre os Estados membros."

    De fato, o caso catalão não é o único na União Europeia, onde uma região busca maior autonomia ou mesmo independência. Estes são os seis exemplos mais destacados.

    Escoceses pedem independência da Grã-Bretanha, após o anúncio dos resultados do referendo sobre o Brexit, Glasgow, Escócia, 30 de julho de 2016
    © AFP 2018 / Andy Buchanan
    Manifestantes defendem a independência da Escócia e agitam bandeiras da UE em Glasgow, Escócia, 30 de julho de 2016

    Escócia, Reino Unido

    A Escócia é uma das regiões europeias com uma das correntes independentistas mais fortes. Tem seu próprio Parlamento e administra várias competições, com exceção de algumas como a diplomacia e a defesa. Embora no referendo histórico, em 2014, 55% dos eleitores votaram contra a independência do Reino Unido, a questão ressurgiu após a vitória do Brexit. A primeira-ministra Nicola Sturgeon, líder do pró-independência Partido Nacional Escocês, pediu para fazer um segundo referendo, uma vez que os termos da saída britânica da UE não estão esclarecidas.

    Flandres, Bélgica

    Na Bélgica, a tensão entre os Flandres, de língua holandesa, e a Valônia, de língua francesa, está enraizada em profundos conflitos culturais e econômicos, uma vez que a primeira região está mais perto para a Holanda e a segunda, da França. A Nova Aliança Flamenga (NVA), que busca a criação de uma República Flamenga, é atualmente uma das forças mais importantes do país. Falando à RT, um representante do movimento de independência flamenga que estava "desapontado com o anticlímax" causado pela decisão do presidente catalão, Carles Puigdemont, de suspender a declaração de independência da Catalunha.

    Córsega, França

    Nesta ilha francesa, o grupo separatista Frente Armada de Libertação Nacional da Córsega (FLNC) cometeu dezenas de ataques, até que em 2014 iniciou um processo de desarmamento. Atualmente, a Córsega goza de uma grande autonomia. É regida por um estatuto administrativo especial e tem uma Assembleia Territorial liderada por separatistas moderados, invocando o reconhecimento oficial de Paris da língua corsa, a introdução de alterações constitucionais e a criação de um estatuto fiscal especial para a ilha.

    Membros do grupo armado ETA
    © AP Photo / Gara
    Membros mascarados do grupo militante basco ETA

    País Basco, Espanha

    A tensão diminuiu nos últimos anos sobre a independência do País Basco, depois que o grupo terrorista ETA cessou as suas atividades armadas em 2011, e o Batasuna, o braço político, se separou em 2013. No entanto, o sentimento nacionalista permanece. Milhares de pessoas se manifestaram em Bilbao no final de setembro, em apoio ao referendo catalão, apontando que cabia, tanto para Catalunha quanto para o País Basco, "decidir seu futuro".

    Baviera, Alemanha

    A região bávara é a maior do país, com uma indústria desenvolvida e rotas turísticas populares. A língua da Baviera é um dialeto do alemão bastante diferenciado e seu movimento separatista existe há muito tempo. Nacionalistas bávaros procuraram a ajuda dos Aliados no final da Segunda Guerra Mundial para criar um Estado soberano, mas a Baviera foi finalmente incorporada como um distrito federal da Alemanha. No entanto, no presente, esta corrente perdeu força.

    Lombardia e Vêneto, Itália

    Na década de 1990, o partido separatista da Liga do Norte desejou a separação do Vêneto e outras províncias do norte da Itália, que denominou como Padânia. Embora a Liga do Norte agora seja mais moderada, regiões ricas como a Lombardia e o Vêneto exigem uma maior parcela das receitas fiscais, e no dia 22 de outubro serão realizados referendos consultivos sobre maior autonomia do governo central italiano.

    Mais:

    O que Soros tem a ver com movimento independentista na Catalunha?
    Madri pede para Catalunha explicação quanto à declaração de independência
    Puigdemont critica Espanha, defende independência, mas pede negociação pela Catalunha
    Tags:
    política, região separatista, separatismo, referendo, União Europeia, Jean-Claude Juncker, Reino Unido, Europa, França, Córsega, Bavaria, Alemanha, Bélgica, Itália, Lombardia, Vêneto, Flandres, Escócia, País Basco, Espanha, Catalunha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik