02:10 24 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    A foto mostra a usina nuclear em Tihange na Bélgica

    Instalações nucleares da França e Bélgica podem estar na mira dos terroristas

    © AFP 2017/ ERIC LALMAND
    Europa
    URL curta
    0 27711

    Em seu relatório recente, a Greenpeace questiona a segurança das usinas nucleares na França e Bélgica, tendo em vista a sua vulnerabilidade perante o risco de ataques externos.

    Será que é um problema real ou uma "notícia falsa" usada pela Greenpeace com fins políticos? Três especialistas expressaram suas opiniões em entrevista com a Sputnik França.

    Algumas pessoas podem beneficiar da evolução tecnológica para organizar ataques terroristas em instalações nucleares, indicou à Sputnik França Stéphane Lhomme, ativista que está contra o desenvolvimento nuclear, diretor e fundador da associação francesa Observatório do Nuclear.

    "Os avanços tecnológicos, tais como os drones, podem permitir às pessoas com más intenções prepararem ataques terroristas: observar a central, filmá-la e recolher informações."

    Segundo ele, há dois ou três anos em França houve uma "campanha" de sobrevoo de usinas nucleares. Toda a mídia falou disso com preocupação, o governo lançou uma investigação. Mas no final, "ninguém mais falou disso, nem se soube quem fez isso".

    O interlocutor da Sputnik França sublinhou que não existe um risco zero nas usinas nucleares civis, para ele, a única solução é fechar todas as usinas.

    "Apesar de as catástrofes se repetirem nas usinas, nada foi feito para proteger suas piscinas", disse ele.

    Olivier Appert, alto funcionário, presidente do Conselho Francês da Energia e do Comitê francês do Conselho Mundial da Energia, recusou comentar o relatório da Greenpeace, lamentando que a mídia generalista, "incompetente nesse tema, encontra interesse em publicar a informação, porque isso contribui para instalar o medo e favorece as vendas".

    De acordo com Erik Hulsbosch, chefe do Serviço de Comunicação da Agência Federal de Controle Nuclear da Bélgica, o relatório da Greenpeace é "incorreto, especulativo e subjetivo". Ele precisou à Sputnik França que todas as usinas nucleares europeias são controladas regularmente com base em uma análise de risco transparente e integral chamada "stress test".

    "Podemos garantir que todas as usinas nucleares belgas tomaram todas as medidas necessárias para se protegerem não só de ataques terroristas, mas também de acidentes aéreos, terremotos, inundações e incêndios."

    Em 12 de outubro de 2017, um grupo de ativistas da Greenpeace penetrou no território da usina atômica de Cattenom, no nordeste da França, e lançou de lá um fogo de artifício. Parece que esta ação devia provar a declaração da Greenpeace que o sistema de segurança das usinas nucleares belgas e francesas é vulnerável.

    Mais:

    Coreia do Norte pode destruir bases americanas no Pacífico
    Opinião: história com F-35 na Bélgica mostra que EUA não têm aliados na OTAN
    Alemanha, Reino Unido e França apelam aos EUA para que não saiam do acordo nuclear
    Tags:
    central nuclear, ataque terrorista, avanço, terrorismo, Greenpeace, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik