08:03 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    4103
    Nos siga no

    Javalis selvagens com nível radioativo dez vezes maior do que o seguro foram mortos na Suécia, o que provocou receios sobre o futuro da caça local e agricultura.

    O javali morto em agosto em florestas da Suécia tinha nível de radiação altíssimo de 13 mil Becquerel por quilograma (Bq/kg), enquanto o nível de outro era de 16 mil Bg/kg. O limite estabelecido pela Agência Alimentícia da Suécia é de 1,5 mil Bq/kg.

    O último animal, que foi morto há muito tempo, mas estava guardado em frigorífico, foi assassinado em Tarnsjo – entre Uppsala e Galve na Suécia central.

    "Trata-se do maior nível de radiação já medido por nós", declarou o consultante ambiental Ulf Frykman, que testa os níveis de radiação na carne, ao canal de televisão sueco SVT sobre o recorde atingido em um nível dez vezes maior do que o seguro.

    Frykman declarou que a sua equipe mediu 30 amostras de carne neste ano e descobriu que somente cinco ou seis delas estavam abaixo do limite seguro, o que pode comprovar uma tendência preocupante.

    Nos últimos anos, os níveis radioativos em animais tais como alce e rena estariam baixando, enquanto a população de javalis parece estar se movendo na direção oposta.

    Os animais em si raramente sofrem com altos níveis da radiação por causa do seu curto período de vida, mas as pessoas que comem a carne com alto nível radioativo podem vir a sofrer ataques cardíacos.

    "Você pode comer carne com limites excessivos de radiação uma vez por ano, mas é melhor evitar comer carne que contenha mais de dez mil Bg/kg", reforçou o investigador de monitoramento ambiental da Autoridade de Radiação Segura, Pal Andersson, para à Rádio Sveriges.

    "Mas, mesmo assim, as consequências não se dão assim que você consume uma dose de radiação", adicionou ele.

    Mesmo que radiação seja conhecida por aumentar o risco de câncer, Pal Andersson considera que o risco é "bastante pequeno".

    Frykman acha que a radiação pode, talvez, dissuadir os caçadores de perseguirem os animais, enquanto Andersson sugere que a disseminação de radiação pode afetar os agricultores locais.

    O aumento do nível de radiação em javalis selvagens estaria ligado à população que se move para regiões da Suécia vinda de outras zonas afetadas pela precipitação radioativa em Chernobyl.

    Depois da explosão do reator em 1986, no território da Ucrânia atual, parte da Suécia, incluindo áreas ao redor de Uppsala e Gavle, junto com o condado de Vasterbotten a norte, as áreas foram afetadas com a precipitação radioativa que continha iodo e césio-137.

    Trinta anos depois do desastre, podem ser encontrados vestígios da tragédia em renas e alces das tribos indígenas Sami. Durante os últimos anos, somente duas de 50 mil renas testadas foram classificadas como inapropriadas para consumo por causa dos altos níveis radioativos.

    O risco de consumidores serem expostos a níveis nocivos de radiação é baixo ao comer carne de alce, cogumelos ou frutos vermelhos de florestas suecas, asseguram toxicologistas. De acordo com a edição de notícias sueca The Local, apenas um 1% das substâncias radioativas que entram em contato com a população são providas da tragédia de Chernobyl.

    Mais:

    Cientista é exposto a radiação em laboratório do governo dos EUA
    Inverno nuclear se aproxima? Consequências de testes de Pyongyang já são sentidas na China
    Foram reveladas fontes desconhecidas de raios gama no universo
    Tags:
    perigo, saúde, radiação, javali, Suécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar