13:42 27 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    220
    Nos siga no

    O departamento de transporte da cidade de Londres (TfL) rejeitou a solicitação da Uber para emissão de uma nova licença de prestação de serviços de táxi, informou The Guardian.

    A empresa já anunciou que vai apelar na justiça contra as autoridades de transporte da capital inglesa. O prazo da atual licença expira no dia 30 de setembro.

    TfL justificou a sua decisão de negar a licença, afirmando que "a abordagem e o comportamento da Uber demonstram a falta de responsabilidade corporativa". 

    O prefeito de Londres, Sadiq Khan, apoio a decisão do órgão municipal.

    Mirror publicou uma nota do gerente geral da Uber para a cidade de Londres, Tom Elvidge, na qual ele afirma que "os 3,5 milhões de londrinos que usam o nosso app e os mais de 40 mil condutores licenciados que dependem da Uber para viver ficarão estupefactos com esta decisão".

    "Ao querer banir o nosso aplicativo da capital, TfL e o prefeito se juntam ao pequeno grupo de pessoas que querem restringir a escolha do consumidor. Se esta decisão se mantiver, mais de 40 mil condutores licenciados ficarão sem trabalho, privando os londrinos de uma forma de transporte conveniente e acessível", conclui a nota.

    A Uber enfrenta processos judiciais em alguns países, em função do seu modelo de negócios, segundo o qual atua somente como intermediário e não reconhece vínculo de emprego com os motoristas.

    Além disso, o ministério da Justiça dos EUA está realizando uma sindicância contra a empresa, por suspeita de corrupção.

    Mais:

    Uber quadriplica preço durante atentado em Londres
    Nova parceria no Brasil vai levar Uber às alturas
    Chefes da Apple, Twitter, Uber e Netflix declaram 'guerra' à Casa Branca
    Sem licença, Uber desiste de testar carros autônomos em São Francisco
    Uber é mantido no Rio por determinação da justiça
    Tags:
    justiça, licença, táxi, TfL, Uber, Tom Elvidge, Sadiq Khan, Grã-Bretanha, Londres
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar